ORIENTAÇÕES DO SNTCT SOBRE O PAGAMENTOS DE VALES AO DOMICÍLIO

ORIENTAÇÕES DO SNTCT SOBRE O PAGAMENTOS DE VALES AO DOMICÍLIO

Abra aqui o documento em formato PDF se quiser imprimi-lo: ORIENTAÇÕES DO SNTCT SOBRE O PAGAMENTOS DE VALES AO DOMICÍLIO

1. Nenhum Carteiro deve abrir os envelopes dos vales que for decidido serem pagos ao domicílio. Tal deve ser feito ou na EC, ou pelo GCDP ou alguém que a Empresa indique para o fazer – mas nunca o Carteiro;

2. O Carteiro só deve levar para a rua os vales e respectivo dinheiro se:

1. Se lhe forem dados 2 envelopes:

  • Um envelope contendo o vale (com o nome e morada do destinatário visível;
  • Um envelope, fechado com fita-cola, com marca do dia da EC e assinado por duas pessoas que tenham nele inserido o dinheiro certo do vale,

3. No acto da entrega/pagamento o Carteiro deve, MUNIDO DE MÁSCARA, LUVAS E COM GEL PARA SE DESINFECTAR:

1. SE O DESTINATÁRIO SABE ASSINAR:

           1. O Carteiro dá o vale ao destinatário que o deve assinar, procedendo o Carteiro à identificação da forma habitual, através do BI/CC, e escrevendo o Carteiro no local da identificação o número do documento, e data de validade;

           2. O Carteiro já em posse do vale assinado e com a identificação feita, dá o envelope com o dinheiro ao destinatário que deve conferi-lo perante o Carteiro.

2. SE O DESTINATÁRIO NÃO SABE ASSINAR:

          1. O Carteiro escreve no vale, na zona da identificação, o nome completo do destinatário, nº e tipo de documento de identificação (BI ou CC), a data de nascimento e a nacionalidade do destinatário, com a indicação de que o destinatário não pode (sabe) assinar;

          2. O Carteiro em posse do vale com a identificação feita de acordo com o descrito acima, dá o envelope com o dinheiro ao destinatário que deve conferi-lo perante o Carteiro.

 

4. Se o destinatário não estiver em casa, ou o destinatário não quiser receber o dinheiro, o Carteiro deixa o vale na caixa do correio e traz de volta ao CDP o envelope com o dinheiro.

 

5. Para uma questão de salvaguarda da responsabilidade de cada trabalhador, NO CASO DE NÃO PAGAMENTO DO VALE, O SNTCT ACONSELHA A TODOS OS CARTEIROS QUE DEVEM ENTREGAR O ENVELOPE COM O DINHEIRO AO GCDP PEDINDO RECIBO DA DEVOLUÇÃO DO MESMO.

6. Os pedidos normais de Pagamento de Vales ao Domicílio seguem os trâmites normais incluindo a cobrança da Taxa de Pagamento ao Domicílio;

7. Se as orientações forem diversas destas o Carteiro deve pedir ordem expressa por escrito nos termos da Cláusula 19ª do AE-CTT.

 

Lisboa, 1 de Abril de 2020
A Direcção Nacional do SNTCT

 

SNTCT – SINDICATO NACIONAL DOS TRABALHADORES DOS CORREIOS E TELECOMUNICAÇÕES
Alameda D. Afonso Henriques, 41-r/c – 1000-123 LISBOA

Telefone: 21 842 89 00 – Email: sntct@sntct.pt

QUANTOS TRABALHADORES CTT TÊM DE MORRER ANTES DE DECIDIREM FAZER ALGO?

BASTA . ALGUÉM TEM QUE PÔR UM TRAVÃO NISTO.

Perante a inação de quem tem obrigação de proteger quem trabalha e de definir regras neste País perante o COVID-19, aqui está cópia do email hoje enviado:

“Ao Ministério da Saúde
À Direcção Geral de Saúde
Ao Ministério das Infraestruturas e Habitação

C/ conhecimento à Comunicação Social

CTT – CORREIOS
AFINAL OS TRABALHADORES DOS CTT SÃO HERÓIS, OU “CARNE PARA CANHÃO”?

É PRECISO MORRER PRIMEIRO ALGUM TRABALHADORE DOS CTT PARA QUE DEPOIS SE TOMEM MEDIDAS?

ESTÁ TUDO DOIDO?

QUANDO O PERIGO DE CONTÁGIO PELO COVID-19 ESTÁ MAIS ELEVADO, NINGUÉM QUER SABER? OS LUCROS E A VENDAS SOBREPÕEM-SE AO VALOR DE VIDAS COLOCADAS EM RISCO?

ONDE ESTÁ A DGS?

ONDE ESTÁ A AUTORIDADE DE SAÚDE, ONDE ESTÃO OS DELEGADOS DE SAÚDE?

Edifício CTT Prior Velho (CTT Correios, CTT Expresso e CTT Contacto)
3 trabalhadores infectados declarados – a Linha Saúde 24 manda os restantes trabalhadores continuarem a trabalhar e aguardarem instruções do Delegado de Saúde (qual não se sabe.) e os CTT… exigem a sua continuidade no trabalho como se nada acontecesse.

Centro de Distribuição Postal de Gondomar
1 trabalhador infectado declarado, 1 à espera de resultado do teste e outros trabalhadores com sintomas – a Linha Saúde 24 manda os restantes trabalhadores continuarem a trabalhar e aguardarem instruções do Delegado de Saúde (qual não se sabe) e os CTT… exigem a sua continuidade no trabalho como se nada acontecesse.

BASTA!

E SE OS TRABALHADORES JÁ DECLARADOS COMO INFECTADOS INFECTARAM OS COLEGAS, A QUEM É NEGADA A QUARENTENA E QUE ALÉM DE JÁ PODEREM TER INFECTADO AS RESPECTIVAS FAMÍLIAS, AO ESTAREM OBRIGADOS A ANDAREM NA DISTRIBUIÇÃO, PODEM ESTAR A INFECTAR AQUELES COM QUEM SE CRUZAM NA ENTREGA DOS ENVIOS?

Se o pior acontecer quem vai ser responsável?

Ficando a aguarda que com a urgência devida, seja dada uma resposta concreta, que se impõe e que tem que ser dada por Vexa.s aos Trabalhadores CTT e a este Sindicato em nome dos que nela representa,
Cumprimentos,

A Direcção Nacional do SNTCT

Victor Narciso
Secretário Geral

Em anexo: Chamadas de atenção diversas sobre situação nos CTT e riscos para os seus trabalhadores

***********************************************************************
Direcção Nacional do SNTCT
***********************************************************************
SNTCT – SINDICATO NACIONAL DOS TRABALHADORES DOS CORREIOS E TELECOMUNICAÇÕES
(NATIONAL UNION OF POSTS AND TELECOMUNICATIONS WORKERS – SNTCT)
Alameda D. Afonso Henriques, 41-r/c
1000-123 LISBOA
PORTUGAL

Phone: (+351) 21 842 89 00
Mobile: (+351) 96 401 17 76
Fax: (+351) 21 947 68 28
Email: sntct@sntct.pt
***********************************************************************

EDIFÍCIO CTT NO PRIOR VELHO.
NÃO HAVIA PROBLEMA…
E AGORA JÁ HÁ?

Não havia problema e os trabalhadores podiam voltar ao trabalho, segundo informação do Delegado de Saúde de Cacém/Sintra (área de residência do primeiro trabalhador declarado infectado pelo Covid-19 no dia 20 de Março), informação veiculada pelos CTT, atraves do “CTT Informa Prior Velho”.

Abre aqui o documento atrás referido CTT INFORMA PRIOR VELHO

No dia 25 o SNTCT enviou o email cujo texto transcrevemos abaixo, com carácter de urgência àquele Delegado de Saúde, com conhecimento à DGS. 5 dias depois a resposta ainda não chegou.

Os trabalhadores podiam voltar a trabalhar mas, de então para cá já são mais 2 casos declarados depois do primeiro, 3 no total até agora (2 no turno da manhã e mais um no turno da noite).

E agora? Ainda continua a não haver problema?

Os trabalhadores, até esta hora, a poucas horas do início dos turnos, continuam sem informação/orientação sobre o que fazerem quer da parte da Empresa quer, depois de para a mesma ligarem, da parte Linha Saúde 24 que apenas os mandou aguardar por orientações.

Dizer que também a aguardar orientações da Linha Saúde 24 está um Dirigente do SNTCT que durante a semana acompanhou localmente o problema.

São 17 horas do dia 29 de Março, vamos ver quando chegam as benditas instruções, se é que chegam.


Exmo. Senhor
Delegado de Saúde de Sintra(Cacém)

Exmo. Senhor,
Na passada semana foi confirmada a infecção, pelo Vírus COVID-19, de um trabalhador CTT, trabalhador de seu nome Rui Santos, a prestar serviço no Edifício CTT sito na Rua Francisco Salgado Zenha, 2685-332 Prior Velho.

Na passada Sexta-feira, dia em que se soube da confirmação da contaminação daquele colega, os trabalhadores do “turno da manhã” das três empresas que ali funcionam – CTT Correios, CTT Expresso e CTT Contacto, todas do Grupo CTT – foram enviados para casa pela Empresa (quando deveriam ter ido todos os trabalhadores dos diversos turnos pois todos se cruzaram com aquele trabalhador nas áreas de trabalho e nas áreas sociais e wc’s/balneários) em aparente respeito pelo Protocolo definido pela DGS.

Estranhamente, anteontem dia 23 de Março, os trabalhadores que estavam em casa foram intimados/chamados a reiniciarem funções pela Gestão dos CTT a quem, alegadamente, o Delegado de Saúde de Cacém(Sintra), área de residência do colega infectado, Vexa. portanto, terá comunicado que não era/é necessária a quarentena e como tal deveriam regressar aos seus postos de trabalho o que, a contragosto por grandes e fundados receios pela sua saúde, fizeram ontem, dia 24 de Março.

Acresce que estes trabalhadores contactam directamente com os destinatários dos envios que distribuem e, estando infectados, além da sua saúde estão ao colocar em risco a das suas famílias e a de todos aqueles a quem distribuírem os envios, de carácter postal e outros, que lhes são dados distribuir.

Assim, perante tal procedimento dos CTT e porque todas as informações foram verbais, mas sempre invocando Vexa., vimos respeitosamente reclamar, em nome dos nossos associados e dos restantes trabalhadores que Vexa. confirme ter dado orientações no sentido de não ser cumprido o Protocolo definido pela DGS nomeadamente no que se refere à quarentena, bastando para tal que nos faculte cópia do documento com a decisão e orientação alegadamente emanada por Vexa. e logo por essa Delegação de Saúde, decisão que a ter sido tomada o foi sem uma simples visita que fosse àquele edifício ou mesmo uma simples medição de febre a todos aqueles trabalhadores.

Certos do bom acolhimento de Vexa. a este nosso pedido, ficamos a aguardar que, com a urgência exigida por esta situação e estranha forma de acção, nos forneça cópia ou documento que tenha sido por si emanado no qual, como é óbvio, Vexa. assumiu inteira responsabilidade pelo comjunto de situações que acima relatamos.

Com os nossos melhores cumprimentos,
A Direcção Nacional do SNTCT
(25 de Março de 2020 às 13h54m”

CTT NINGUÉM PODE SER OBRIGADO A GOZAR FÉRIAS FORA DA ESCALA NORMAL

FÉRIAS NOS CTT
NINGUÉM PODE SER OBRIGADO A GOZAR FÉRIAS
FORA DA ESCALA NORMAL

Chegaram-nos hoje ao conhecimento uma série de situações, algumas bem identificadas e em zonas diversas do País, em que trabalhadores CTT foram coagidos a gozarem férias (pelo menos num dos casos seriam 15 dias) e que, não o aceitando, lhes iria ser aplicado o “lay off” e, logo, o despedimento.

O SNTCT contactou a Gestão dos CTT e recebeu da DRH a informação que nenhuma orientação foi dada nesse sentido, tanto mais que as alterações ao Plano de Contingência só serão anunciadas no início da próxima semana.

Perante tal, a Direcção Nacional do SNTCT, pede a todos os associados e trabalhadores CTT que, além de recusarem tais tentativas de coação, seja de quem for, o denunciem.

Claro que tal não afectará as situações em que seja o trabalhador a pedir antecipação de férias e haja acordo por parte da Empresa.

26 de Março de 2020

A Direcção Nacional do SNTC

SNTCT propõe alteracão/redução dos Horários de Trabalho nos CDP’s e outros Serviços.

A Direcção Nacional do SNTCT enviou hoje aos CTT a seguinte mensagem

SNTCT propõe alteracão/redução dos Horários de Trabalho nos CDP’s e outros Serviços.

 

Exmo. Senhor
Dr. João Bento
CEO dos CTT

Exmo. Senhor,

Estamos a atravessar um período de gravidade extrema em que os Trabalhadores e as Trabalhadoras dos CTT, conscientes da sua missão enquanto prestadores dos Serviços Postais – um Serviços Públicos de Caracter Essencial – e das suas obrigações para com os Portugueses e o País, não deixam por isso se serem seres humanos sujeitos à infecção pelo mortífero Vírus COVID-19.

Assim, se saudamos a medida de abertura das EC’s somente entre as 09h00 e as 13h30, em que o horário dos Trabalhadores e das Trabalhadoras dos balcões é alterado para 09h00-14h00, queremos também propor que o horário dos Trabalhadores e das Trabalhadoras da Distribuição, os Carteiros, veja igualmente reduzido o seu horário de trabalho para 5 horas diárias enquanto durar o Estado de Emergência e, se tal vier infelizmente que vir a acontecer, nas renovações do mesmo.

Propomos tal redução como uma medida profilática, pois quanto menor for o período de exposição a um possível contágio, menor será o risco de infecção ou até, esperemos que tal não venha a acontecer com nenhum trabalhador da Empresa ou das suas famílias, de um desfecho pior.

Além disso, como estão encerrados todos os estabelecimentos de restauração, é impossível aos Carteiros fazerem as suas refeições bem como, com o encerramento daqueles e de outros estabelecimentos comerciais, não terem os mesmos onde satisfazerem as suas necessidades físicas básicas.

Assim, partindo do pressuposto que, na semana que amanhã começa, estarão supridas todas as necessidades de meios de protecção em todos os locais de trabalho e a todos os Trabalhadores e a todas as Trabalhadoras da Empresa CTT e dos CTT Expresso, bem como a todos os subcontratados e agenciados, propomos ainda que tais medidas de redução do horário de trabalho, evidentemente que com a manutenção de rendimentos, seja extensível também aos Trabalhadores e ás Trabalhadoras dos CPL’s e dos Transportes.

Querendo acreditar que terá Vexa. em boa conta esta nossa proposta e tudo fará para responder á mesma de forma afirmativa, no respeito pela vida e saúde de todas e todos aqueles que são o motor e maior capital da empresa CTT-Correios de Portugal, que Vexa. preside, bem como das suas respetivas famílias e, também dos cidadãos que com eles contactam, somos, com os nossos melhores cumprimentos,

A Direcção Nacional do SNTCT

CTT – NÃO TRABALHAR SEM MEIOS DE PROTECÇÃO

Porque até esta hora continuamos a aguardar que a gestão dos CTT nos diga quais as suas intenções quanto à aplicação da Resolução de Conselho de Ministros, decorrente da declaração do Estado de Emergência, o SNTCT informa seguinte:

OS SERVIÇOS POSTAIS SÃO UM SERVIÇO MPÚBLICO ESSENCIAL, TAMBÉM DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE MINISTROS, OS TRABALHADORES CTT VÃO TER DE TRABALHAR.


TEMOS QUE TRABALHAR MAS, DESDE OS HORÁRIOS ATÉ AOS SERVIÇOS A ASSEGURAR, O SNTCT NECESSITA SABER O QUE PRETENDE A GESTÃO DOS CTT. UMA CERTEZA TEMOS NESTE MOMENTO:

 

Nenhum trabalhador deve trabalhar sem que estejam asseguradas as medidas de proteção da sua saúde e, logo, daqueles para quem trabalham, os portugueses. assim:

1 – NENHUM TRABALHADOR CTT DEVE IR PARA A DSITRIBUIÇÃO, PARA O BALCÃO, TRATAR CORREIO NOS CPL’S, CONDUZIR VIATURAS DE SERVIÇO OU EXECUTAR QUALQUER OUTRA FUNÇÃO OU SERVIÇO DA EMPRESA SEM OS NECESSÁRIOS MEIOS DE PROTECÇÃO CONTRA A INFECÇÃO PELO VÍRUS COVID-19.

2 – Caso não estejam disponibilizados tais meios (que incluem desinfectante, luvas, máscaras, limpeza de instalações e definição de espaços mínimos entre trabalhadores), deverão pedir a intervenção do Delegado de Saúde e Delegação da ACT mais próximos, utilizando para o efeito a minuta abaixo (o texto é o mesmo para ambas as entidades), de preferência assinada por todos os trabalhadores que o entendam fazer.

___________________________________

 

PARA O DFELEGADO DE SAÚDE
Exmº/a Sr/a Delegado/a de Saúde de _______________

 

Assunto: COVID 19 – Condições de Trabalho no estabelecimentos dos CTT de ( _____INDICAR SERVIÇO______ ) sito em ( _______MORADA DO LOCAL DE TRABALHO_______ )

 

Exmºs Srs
O Delegado Sindical e/ou associados do SNTCT – Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações vêm solicitar a intervenção urgente no local de trabalho em referência, com vista a avaliar do cumprimento das regras impostas pela DGS quanto às condições mínimas para proteção contra a transmissão do Coronavirus 19.
Efetivamente, os trabalhadores estão a manifestar grande preocupação com as condições de trabalho existentes neste local, aquando da realização das suas tarefas de distribuição/atendimento/outras que implicam contacto regular e sistemático com utentes. E isto sem que lhes tenham sido distribuídos equipamentos de protecção individual suficientes e adequados ( ex. luvas, máscaras , gel desinfetante, etc) e / ou sem que tenham sido tomadas as necessárias medidas limpeza/desinfecção e de separação física dos trabalhadores entre si e com os clientes.
Com os melhores cumprimentos,
Os abaixo-assinados
(assinaturas)

___________________________________

PARA A DELEGAÇÃO DA ACT
Exmº/a Sr/a Delegado/a do Centro Local de _________ da ACT

 

Assunto: COVID 19 – Condições de Trabalho no estabelecimentos dos CTT de ( _____INDICAR SERVIÇO______ ) sito em ( _______MORADA DO LOCAL DE TRABALHO_______ )

 

Exmºs Srs
O Delegado Sindical e/ou associados do SNTCT – Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações vêm solicitar a intervenção urgente no local de trabalho em referência, com vista a avaliar do cumprimento das regras impostas pela DGS quanto às condições mínimas para proteção contra a transmissão do Coronavirus 19.
Efetivamente, os trabalhadores estão a manifestar grande preocupação com as condições de trabalho existentes neste local, aquando da realização das suas tarefas de distribuição/atendimento/outras que implicam contacto regular e sistemático com utentes. E isto sem que lhes tenham sido distribuídos equipamentos de protecção individual suficientes e adequados ( ex. luvas, máscaras , gel desinfetante, etc) e / ou sem que tenham sido tomadas as necessárias medidas limpeza/desinfecção e de separação física dos trabalhadores entre si e com os clientes.
Com os melhores cumprimentos,
Os abaixo-assinados
(assinaturas)

___________________________________

SNTCT – A FORÇA DE CONTINUARMOS JUNTOS!

FIQUE EM CASA?

Só porque o anúncio abaixo, hoje, é insultuoso para os trabalhadores CTT que andam na rua ou estão nos balcões:

SE NÃO FOR TRABALHADOR DOS CTT, FIQUE EM CASA.
PORQUE OS TRABALHADORES DOS CTT AÍ ESTÃO, ORGULHOSOS DA SUA FUNÇÃO ESSENCIAL MAS DESPROTEGIDOS, A PENSAREM NO SEU BEM-ESTAR MAS, AO MESMO TEMPO, A TEMEREM PELA SUA VIDA, DOS SEUS COLEGAS E DAS SUAS FAMÍLIAS.

FIQUE EM CASA porque os Carteiros, muitos a quem não foram dadas luvas, nem máscara, nem gel para se desinfectar… aí estarão à sua porta, de sorriso nos lábios (???) obrigados a colocarem a sua vida em risco, a deles e a sua, para que você possa ficar em casa.

O Carteiro aí estará para lhe entregar medicamentos, fraldas para bebés ou incontinentes, o vale da sua pensão, o vale do seu Rendimento Mínimo, até mesmo comida não perecível que lhe tenha sido enviada., em suma, aquilo que é imprescindível e que pode pôr em risco a sua sobrevivência.

Mas sabe que, os Carteiros, tantos sem meios de protecção, também estão a ser obrigados a arriscar a sua vida para levar-lhe objectos ou produtos que não são de primeira necessidade (alguns puras futilidades como brincos, drônes de brincar, … e sabe-se lá o que mais)?

FIQUE EM CASA MAS, SE TIVER QUE IR A UMA ESTAÇÃO DE CORREIOS, e porventura encontrar a pessoa que o atende sem luvas, sem uma gota de gel para se desinfectar, sem uma máscara para se proteger, não se admire.

Eles(as) ali estão para lhe entregar os medicamentos que pediu, as fraldas para o seu filho ou para o seu pai acamado, pagar-lhe o dinheiro do vale da sua reforma ou do seu subsídio de desemprego, aceitarem o pagamento das suas contas ou para lhe entregarem comida não perecível que lhe tenha sido enviada, em suma, bens e serviços necessários à sua sobrevivência.

Mas sabe que, se a si lhe apetecer, também ali estão, obrigados, para lhe venderem umas canecas ou uns leques ou para lhe entregarem bens que não são necessários para a sua sobrevivência (alguns até fúteis tais como perfumes, cosméticos, raquetes, … e outros que tais)?

VÁ, NÃO SAIA DE CASA, PORQUE O CARTEIRO MESMO SEM MEIOS DE PROTECÇÃO ADEQUADOS, AÍ ESTARÁ À SUA PORTA MESMO QUE SEJA PARA LHE ENTREGAR ALGUMA FUTILIDADE!

VÁ, SE LHE APETECER IR À ESTAÇÃO DE CORREIOS, VÁ QUE MESMO SEM MEIOS DE PROTECÇÃO ADEQUADOS, ALI ESTARÁ ALGUÉM MESMO QUE SEJA PARA LHE VENDER UM LIVRO OU UMA CANECA.

NÃO SAIA DE CASA PORQUE NOS CENTROS DE TRATAMENTO DOS CTT ALGUÉM ESTÁ NESTE MOMENTO A TRATAR AS SUAS CORRESPONDÊNCIAS, AS SUAS ENCOMENDAS, SEM TER LÍQUIDO PARA DESINFECTAR AS MÃOS, UM PAR DE LUVAS OU UMA MÁSCARA QUE SEJA.

VÁ, AVANCE SEM MEDOS, mesmo que – por ordem do Governo ou dos gestores nomeados pelos accionistas dos CTT – os trabalhadores da Empresa, sem os necessários meios de protecção, estejam a ver colocados em risco as suas vidas e as das suas famílias, as dos seus colegas de trabalho, seja para lhe prestarem serviços postais essenciais ou todos os outros que o não são.

VÁ, PORQUE SEJA PARA SERVIÇO POSTAL ESSENCIAL OU NÃO, OS TRABALHADORES DOS CTT SERÃO A “CARNE PARA CANHÃO” À SUA DISPOSIÇÃO!

MEIOS DE PREVENÇÃO DO COVID-19 NOS CTT

MEIOS DE PREVENÇÃO DO COVID-19 NOS CTT
Houve atraso no fornecimento, por parte dos CTT, dos meios de prevenção.
Dissemo-lo, exigimos o seu fornecimento e, porque ainda existem locais onde os mesmos não chegaram, ou chegaram em número insuficiente, listaremos esses locais junto da empresa para que regularize a situação (façam-nos chegar informação se for esse o caso do vosso local de trabalho).

 

AGORA, CAMARADAS E AMIGOS TRABALHADORES DOS CTT,
MUITA ATENÇÃO:
Nos locais onde os meios de prevenção/protecção estão distribuídos, mesmo que não em quantidade suficiente, OS TRABALHADORES A QUEM FOREM DISTRIBUÍDOS, DEVEM USÁ-LOS SEGUNDO AS INDICAÇÕES QUE FORAM EMANADAS PELAS ENTIDADES COMPETENTES, de forma a salvaguardarem a sua saúde, a dos seus familiares e, também de todos os Portugueses.

 

AGORA, GESTÃO DOS CTT,
TAMBÉM MUITA ATENÇÃO:
Ainda falta distribuir muito material de prevenção/protecção em muitos locais de trabalho, elo que iremos comunicar-vos aqueles que são do nosso conhecimento mas, falta também algo que é primordial neste momento; TAMBÉM PARA CONTENÇÃO DA PROPAGAÇÃO DO VÍRUS, A DESINFECÇÃO E PRINCIPALMENTE A LIMPEZA APURADA DOS LOCAIS DE TRABALHO, É FUNDAMENTAL.

 

Lisboa, 16 de Março de 2020

A Direcção Nacional do SNTCT

MENSAGEM DO SNTCT A JOÃO BENTO, CEO DOS CTT

Exmo. Senhor
João Bento
CEO dos CTT

A Direcção Nacional do SNTCT tentou, ao longo da passada semana, ajudar, nomeadamente indicando situações gritantes de insegurança na prestação do trabalho nos CTT, quer dentro quer fora de portas das instalações da Empresa.

Sem querermos fazer quaisquer juízos de valor sobre seja quem for no plano individual, a gestão dos CTT, que o Sr. encabeça, falhou quer na prevenção quer na tentativa tardia de corrigir essa falha. Pior, por pura irresponsabilidade, trabalhadores foram obrigados a laborar em zonas de alto risco e de grande ocorrência de casos confirmados de infecção. Obrigar Carteiros a fazerem distribuição em Idães, sem quaisquer medidas de protecção, como também aconteceu nos Concelhos de Felgueiras e Lousada, foi de uma inconsciência e de uma irresponsabilidade tamanha que não tem adjectivação possível que não seja ofensiva. Esperemos que, aqueles trabalhadores que estiveram a laborar na rua ou nos balcões da Estações de Correio não estejam a incubar o Vírus e o desfecho não venha a ser o pior, o que a ocorrer será da sua inteira responsabilidade enquanto mais alto gestor e decisor da Empresa CTT.

Algumas situações gritantes foram resolvidas como o caso dos PDA’s na distribuição, mas pouco mais que isso.

Já depois de dadas orientações de salvaguarda mínima com o não toque dos destinatários nos PDA’s, ainda houve trabalhadores que ouviram como resposta que o Sindicato, o SNTCT no caso, ali não mandava e os procedimentos continuavam como até aí, sabia?

Trabalhadores que, não lhes tendo sido fornecido material de protecção como era e é obrigação da Empresa, foram impedidos de usar máscaras, pagas do seu próprio bolso porque uma chefia “não quer mascarados” no balcão de uma Estação de Correios, sabia?

Trabalhadores com sintomas que podiam indiciar estar contagiados foram enviados para casa, como se nada tivesse acontecido, e os restantes trabalhadores não foram salvaguardados tendo que continuar a laborar, porque os padrões de qualidade estavam muito fora de prazo. Interessante justificação quando os padrões de qualidade normalmente são esquecidos e tantas vezes escondido o seu não cumprimento. Interessante quando uma chefia local reporta ao seu superior que decide deixar andar “porque quer, pode e manda”, sabia?

Meios de prevenção prometidos que não chegam e que quando chegam raiam o ridículo. Quatro pacotes de lenços de papel para um CDP com dezenas de trabalhadores, toalhetes secos, luvas que não chegam, máscaras que não chegam, limpeza de superfícies que não é feita como devia com materiais desinfectantes,… … … sabia?

Carteiros a irem para a rua sem um pouco de gel desinfectante que seja, TNG´s nas Estações de Correio cuja única medida de salvaguarda é uma mísera fita cola no chão a um metro do balcão, Carteiros nos CPL’s sem luvas, sem qualquer desinfectante disponibilizado, sem máscaras, com limpeza de instalações à pressa, sem desinfecção dos objectos e correspondências que tratam,… sabia?

Sabia também, Sr. CEO dos CTT, que estamos no final do dia 15 de Março, e que amanhã se inicia a primeira de duas semanas que segundo os especialistas colocarão este País no “olho do furacão” da disseminação e propagação da infecção pelo Vírus Covid-19?

Pois, depois de tudo o atrás descrito de forma muito sumária, daqui a pouco inicia-se a actividade laboral nos CTT, primeiro nos CPL’s e Transportes, depois nos CDP’s e pelas 9 horas da manhã, nas Estações de Correio. Apesar da promessa de fornecimento de meios de protecção contra o contágio e/ou infecção nos diversos locais de trabalho dos CTT e CTT Expresso, muito pouco ou nada aconteceu e o pouco que aconteceu não chega. Os trabalhadores dos CTT têm estado, estão e por incúria da gestão da Empresa, vão continuar a estar totalmente desprotegidos. O caso do CDP 4000 é de uma irresponsabilidade gritante. Aqueles trabalhadores vão ser forçados a trabalhar sem saberem se o seu colega está infectado? E os do 4400, ao lado, que com eles se cruzam e também podem estar infectados? Vai a gestão dos CTT, que o Sr. encabeça, assumir todas a mortes que, pela incúria e irresponsabilidade dos CTT possam vir a ocorrer?

Sr. CEO dos CTT, a partir da meia-noite pode gerar-se o pandemónio nos CTT. Que pensa fazer quanto a isso?

Esperando actuação, mais que uma resposta, somos, com os nossos cumprimentos,

P’la Direcção Nacional do SNTCT

José Oliveira

PS: Já agora, aproveitamos para informar que, perante a inoperância e irresponsabilidade dos CTT, amanhã iremos a intervenção Governamental para defesa dos milhares de trabalhadores dos CTT e daqueles, milhões, para que os mesmos trabalham e contactar no dia-a-dia.EMAIL SNTCT PARA CEO CTT

1 2 3 10