Comunicado SNTCT RANDSTAD 5-2018

Randstad 05 A

GREVE GERAL – RANDSTAD
13 de Junho 2018

Abra aqui a versão PDF deste comunicado: 2018_5 Randstad _ 2

Esta Greve abrange todos os trabalhadores da Randstad do sector das comunicações e telecomunicações independentemente do operador onde estão a trabalhar.

Os trabalhadores estão determinados a lutar para conseguir os seus objectivos e continuam a reivindicar os seus direitos:

  • AUMENTOS SALARIAIS;
  • HARMONIZAÇÃO DO SUBSIDIO DE ALMOÇO PARA TODOS OS TRABALHADORES;
  • UMA ESTRUTURA DE CARREIRA JUSTA E DIGNA;
  • VALORIZAÇÃO DO TRABALHO
  • FIM DO SEU VÍNCULO PRECÁRIO E INTEGRAÇÃO NOS OPERADORES ONDE PRESTAM SERVIÇO;
  • MELHORES CONDIÇÕES DE TRABALHO;
  • NEGOCIAÇÃO DO CADERNO REIVINDICATIVO E REGULAMENTO INTERNO.

SINDICALIZA-TE NO SNTCT
sntct – a força de continuarmos juntos!

Comunicado SNTCT CALL CENTERS 04-2018

2018_4 Call Centers 01

A IMPORTÂNCIA DE ESTAR SINDICALIZADO

Abre aqui o comunicado em versão PDF » » » 2018_4 Call Centers

ESTAR SINDICALIZADO, PARA QUÊ?
Estar sindicalizado é estar mais protegido, é ter acesso ao contencioso do Sindicato, é ter direito a apoio Sindical e Jurídico, é ter acesso a outros serviços protocolados entre o Sindicato e outras entidades.
Estar sindicalizado é estar organizado colectivamente aumentando o poder reivindicativo de modo a ser mais fácil alcançar as reivindicações dos trabalhadores – melhores salários, trabalho com direitos, melhores condições de trabalho, entre outras coisas.
Estar sindicalizado é poder participar na discussão colectiva, eleger e ser eleito, quer seja a nível local, (delegado sindical), Empresa (comissão sindical) e a nível nacional (dirigente).

SER SINDICALIZADO É UM DIREITO!
Está consignado na Constituição da República, na Lei Laboral (Código de Trabalho) e noutros instrumentos de regulamentação colectiva. Por isso, para além de ser um direito é um dever de quem trabalha por conta de outrem.

A IMPORTÂNCIA DO DELEGADO E DA COMISSÃO SINDICAL
O Delegado Sindical é quem representa os trabalhadores sindicalizados em cada local de trabalho. É quem faz a ligação entre o local de trabalho e a Estrutura do Sindicato.
A Comissão Sindical é o conjunto de Delegados Sindicais de um Sindicato na Empresa.
É o Delegado Sindical e ou a Comissão Sindical, que podem convocar reuniões de trabalhadores para discutir os problemas laborais, decidir formas de resolução dos problemas, decidir formas de luta.
Exemplo: No caso da Randstad, o SNTCT tem já eleitos Delegados Sindicais, assim como uma Comissão Sindical, o que nos permite, marcar reuniões de trabalhadores, (foi já possível discutir um Caderno Reivindicativo que nesta fase se encontra em discussão com a Empresa).

Está na altura de os trabalhadores das outras empresas de trabalho temporário ou prestadoras de serviços, reforçarem a sua organização através da eleição dos seus representantes.

Visita a página do SNTCT em www.sntct.pt

SINDICALIZA-TE NO SNTCT
sntct – a força de continuarmos juntos!

Ccomunicado SNTCT RANSTAD 04-2018

comunicado 2018_4 Randstad 01

2ª REUNIAO NA DGERT COM A RANDSTAD,

NO DIA 10, SEM AVANÇOS

No dia 10 de Maio a comissão sindical e o SNTCT voltou a reunir na DGERT – Ministério do Trabalho.

Abre aqui o comunicado na versão PDF » » » comunicado 2018_4 Randstad

Empresa reiterou a posição da primeira reunião, em relação aos aumento salariais dizendo que “não tem margem para negociar aumentos salariais atendendo, nomeadamente, a subida do salario mínimo, não prevista nos contratos em vigor com os seus clientes, nem margem para contrapor nada”

Desde de 2008 que os trabalhadores não têm aumentos na Randstad, pretende a empresa assim manter os trabalhadores com baixos salários.
Sabemos que a Randstad tem margem para aumentar os salários dos trabalhadores, no ano de 2017 os trabalhadores que estão na Vodafone já recebiam 580€ de salario mínimo enquanto os trabalhadores que estão na NOS e na MEO recebiam 557€.
Existe margem para aumentos salariais haja vontade da empresa.
A Randstad disse que o encargo do caderno reivindicativo representa um aumento de 25%, este aumento é o que os trabalhadores deixaram de ganhar nos últimos 10 anos.
Os representantes da empresa vieram com o choradinho dizendo que se fosse possível que iriam proceder aos aumentos propostos… conversa de patrão.
Relativamente a outras matérias de expressão pecuniária, Diuturnidades/anuidades, subsídio de alimentação, subsídio de pequeno-almoço o discurso da empresa foi o mesmo dos salários.

OUTRAS MATERIAS
Dispensa do trabalhador/a no dia do Aniversário,
Informou não ter capacidade para atribuir esta proposta aos trabalhadores.
Trabalho suplementar
A empresa não esta disponível e que vai continuar a cumprir a lei.
Descanso compensatório
Relativamente a esta matéria a empresa ficou de analisar.
Escalas de feriados, Natal e Fim de ano
Nesta matéria a empresa na 1ª reunião na DEGERT assumiu que iria cumprir afirmando que o iria fazer para o feriado do 25 de Abril e 1º de Maio. No entanto viemos a verificar que tal não aconteceu ao contrário de outros prestadores de serviços que tinham afixado a escalas para conhecimento dos trabalhadores.
A empresa informou que não compreende porque não estava afixado conforme acordado e que ira rever a situação.
Em relação as escalas de Natal e Fim de ano esperamos que sejam afixados atempadamente para conhecimento dos trabalhadores/as
Pausas
Continua o diferendo entre o SNTCT e a empresa, continuando a empresa com ameaças veladas que os trabalhadores não podem continuar a fazer as pausas de 5 minutos. Para o SNTCT os trabalhadores/as que tem 3 minutos tem que passar para 5m.
Carreiras e evolução salarial
Nesta matéria a resposta foi a mesma que foi dada aos aumentos salariais, a empresa diz que quer implantar boas praticas mas não precisa de regulamentar essas medidas.
Para o SNTCT e trabalhadores é importante que conste do regulamento interno uma estrutura de carreiras e sua evolução.
O SNTCT na última reunião informou que vai apresentar uma proposta para quem trabalha nas lojas, será um abono para falhas para quem movimenta dinheiro.
A empresa foi sensível a esta matéria e ficou de analisar
O SNTCT solicitou que fosse dada resposta ponto por ponto para que ficasse em acta
Também na última reunião o SNTCT solicitou vários dados a Randstad que ficou de enviar.
Relativamente ao regulamento interno a muito que a empresa conhece a proposta do sindicato e ate ao momento não deu qualquer resposta. Nesta matéria também o SNTCT solicitou resposta a proposta de regulamento interno.
Próxima reunião 26 de Junho, a empresa disse que precisava de tempo para analisar todas a matérias do regulamento interno.
Face ao impasse negocial o SNTCT vai realizar varias reuniões de trabalhadores para analisarmos a situação e tomara as medidas necessárias.

Visita a página do SNTCT em www.sntct.pt

SINDICALIZA-TE NO SNTCT
sntct – a força de continuarmos juntos!

Comunicado RANDSTAD 3-2018

RANDSTAD 03A

A RANDSTAD VIOLA A LEI DA GREVE

E PROCURA COAGIR TRABALHADORES

Abre aqui a versão PDF deste comunicado » » » 2018-03 RANDSTAD

A RANDSTAD, após a Greve de 25 de Abril e 1 de Maio, informou os assistentes que nos dias de greve quem falta deve indicar o motivo pelo qual faltou, sob pena de ficar com falta injustifica.
A LEI 7/2009 DE 12 DE FEVEREIRO (CODIGO DE TRABALHO), É CLARA SOBRE ESTA MATÉRIA.
Os trabalhadores, sócios dos Sindicatos promotores da Greve ou não, assim como os não sindicalizados, estão cobertos pelo Pré-Aviso de Greve emitido dentro da Lei.
Esta medida, é uma “Grosseira” violação da Lei, e visa intimidar e limitar os trabalhadores para que de futuro abdiquem do direito á GREVE, direito que está na Constituição e na Lei.
Excerto da Lei 7/2009 Código de Trabalho:
Lei n.º 7/2009 de 12 de fevereiro
Aprova a revisão do Código do Trabalho
Artigo 530.º – Direito à greve
1 – A greve constitui, nos termos da Constituição, um direito dos trabalhadores. 2 – Compete aos trabalhadores definir o âmbito de interesses a defender através da greve. 3 – O direito à greve é irrenunciável.
Artigo 536.º – Efeitos da greve
1 – A greve suspende o contrato de trabalho de trabalhador aderente, incluindo o direito à retribuição e os deveres de subordinação e assiduidade. 2 – Durante a greve, mantêm-se, além dos direitos, deveres e garantias das partes que não pressuponham a efetiva prestação do trabalho, os direitos previstos em legislação de segurança social e as prestações devidas por acidente de trabalho ou doença profissional. 3 – O período de suspensão conta-se para efeitos de antiguidade e não prejudica os efeitos decorrentes desta.

Artigo 540.º – Proibição de coação, prejuízo ou discriminação de trabalhador
1 – É nulo o ato que implique coação, prejuízo ou discriminação de trabalhador por motivo de adesão ou não a greve. 2 – Constitui contra-ordenação muito grave o ato do empregador que implique coação do trabalhador no sentido de não aderir a greve, ou que o prejudique ou discrimine por aderir ou não a greve.
Artigo 543.º
Responsabilidade penal em matéria de greve A violação do disposto no n.º 1 ou 2 do artigo 535.º ou no n.º 1 do artigo 540.º é punida com pena de multa até 120 dias.
Iremos de imediato apresentar uma queixa junto da ACT.
Visita a página do SNTCT em www.sntct.pt
SINDICALIZA-TE NO SNTCT
SNTCT – a força de continuarmos juntos!

44º ANIVERSÁRIO DO SNTCT – O SINDICATO

CARTAZ SNTCT

44º ANIVERSÁRIO DO SNTCT

5 MAIO 1974 – 5 MAIO 2018

CARTAZ SNTCT

Abra aqui o cartaz em formato PDF » » » PDF CARTAZ SNTCT 44 ANOS

Tudo começou uns anos antes, em 1970, quando um grupo de trabalhadores convocado por Vitória Pinheiro, uma Telefonista dos CTT – Correios e Telecomunicações de Portugal-  EP (Empresa Pública), decidiu criar um Sindicato.

A Comissão Pró-Sindicato que ali foi eleita sabia que o regime Fascista de Salazar e Marcelo Caetano, o chamado Estado Novo, não permitia sindicatos de classe limitando à existência de alguns sindicatos corporativos controlados pelo regime.

A Comissão tudo tentou mas a acção do regime, chegando à intervenção da PIDE, a polícia política, acabou com esse sonho em 1972 quando já estava em funções a segunda Comissão, fechando as portas do local onde funcionava a Comissão, apreendendo o arquivo da mesma, perseguindo os seus elementos e prendendo mesmo um deles.

Foi necessário o advento da Revolução de 25 de Abril de 1974 para que finalmente os Trabalhadores dos CTT – Correios e Telecomunicações de Portugal – EP, pudessem dar corpo à criação do seu Sindicato.

Foi no dia 5 de Maio de 1974, pouquíssimos dias depois da Revolução dos Cravos que, no Pavilhão dos Desportos de Lisboa, hoje Pavilhão Carlos Lopes, numa Assembleia Magna com mais de 10.000 trabalhadores e trabalhadoras vindos de todos os pontos do País, decidiram criar o SNTCT, o SINDICATO.

44 anos depois ele aqui está, forte, combativo, de classe e a representar dignamente os trabalhadores dos Sector dos Correios, Telecomunicações e Actividades Afins.

SNTCT nós te saudamos e a todos(as) aqueles(as) que te construíram e reforçaram em cada um dos dias destes 44 anos.

Viva a luta dos trabalhadores.

Viva o SNTCT!

A FORÇA DE CONTINUARMOS JUNTOS

COMEMORAÇÕES 1º DE MAIO CGTP-IN – ONDE VAMOS ESTAR…

1 maio 2018

SNTCT NAS COMEMORAÇÕES
1º DE MAIO CGTP-IN

Participa. Encontramo-nos lá! 

Decorrendo as comemorações, organizadas pela nossa CGTP-IN, um pouco por todo o País, chamamos em especial a atenção de quem vive em:

LISBOA

   15h00 – Martim Moniz – Manifestação para a Alameda

COIMBRA

   15H00 – Pç. da República – Manif. p/ a Pç. 8 de Maio

PORTO

   15H00 – Avenida dos Aliados – Manifestação

Além da lista de localidades que a seguir enunciamos vê aqui os outros locais e horas das comemorações » » » comemoracoes-1maio-2018

1 maio 2018

Angra do Heroísmo
Arraiolos
Beja
Bragança
Casebres (Alcácer do Sal)
Castelo Branco
Coimbra
Covilhã
Ervidel
Évora
Faro
Figueira da Foz
Funchal, Aveiro
Grândola
Guarda
Guimarães
Horta
Lamego
Leiria
Lisboa
Mangualde
Minas da Panasqueira
Montemor-o-Novo
Pias
Ponta Delgada
Portalegre
Portimão
Porto
Santa Catarina (Alcácer do Sal)
Santarém
Setúbal
Sines
Torrão (Alcácer do Sal)
Torres Vedras
Tortosendo
Vendas Novas
Viana do Castelo
Vila Real
Viseu

COMEMORAÇÕES DO 1º DE MAIO DE 2018

LUTAR PELOS DIREITOS

VALORIZAR OS TRABALHADORES

SNTCT – A força de continuarmos juntos!

25 de Abril

25 abril

25 de Abril, sempre!

Participa nas comemorações que decorrem um pouco por todo o País, com especial atenção para os desfiles/manifestações de:

Lisboa

Marquês de Pombal – 14h30

Porto
Largo Soares dos Reis – 14h30

Coimbra
Praça da República – 14h30

Faro
Mercado Municipal de Faro – 16h

NEGOCIAÇÕES PARA A REVISÃO DO ACT DA MEO-PT

ffff

Estão a decorrer as negociações para a revisão do ACT da MEO-PT.

Sem prejuízo de informação SNTCT sobre esta matéria, que oportunamente enviaremos, deixamos aqui o comunicado conjunto relativo à 1ª sessão de negociação.

A Direcção Nacional do SNTCT

______________________________________________________________________

 

COMITÉ EXECUTIVO APRESENTA CONTRAPROPOSTA PARA O ACT ARGUMENTANDO COMO PREOCUPAÇÃO PRINCIPAL A MANUTENÇÃO DOS POSTOS DE TRABALHO

Abra este link para aceder ao comunicado em versão PDF » » » Comunicado ACT
Conforme anunciado decorreu dia 18 a 1ª sessão de negociação do ACT para 2018.

Nessa reunião esteve também presente o CEO da ALTICE PORTUGAL Engº Alexandre Fonseca para fazer o enquadramento em que a empresa se insere.

Uma grande preocupação na manutenção dos postos de Trabalho e da estabilidade de emprego na ALTICE PORTUGAL como compromisso principal.

A transformação da empresa numa empresa Tecnológica, a necessidade de recrutamento e renovação de competências para melhorar a eficiência, abordar e abranger novos mercados.

A necessidade de uma forte aposta na formação profissional adequada à evolução tecnológica e adaptação das competências dos Trabalhadores.

A manutenção da ALTICE PORTUGAL como o maior investidor em tecnologia do nosso país.

A manutenção de um forte investimento social e cultural como atitude diferenciadora da concorrência.

Face a este enquadramento o Comité Executivo apresenta como proposta inicial os seguintes princípios:

1. Garantir a actualização dos salários tendo em atenção o custo máximo do valor da massa salarial propondo que a distribuição dos valores deve ter em atenção as situações dos salários mais baixos.

2. Abertura para estabelecer um número mínimo de progressões/promoções em 2018.

3. Melhorar as matérias relacionadas com a Parentalidade, Faltas para o Acompanhamento Escolar do menor, Trabalhadores com capacidade reduzida, Férias, Dádiva de Sangue.

4. Adaptar a Mobilidade funcional (como forma essencial de garantir a empregabilidade), Transferências do local de trabalho.

5. Horarios concentrados, para possibilitar novo tipo de organização do trabalho em equipa.

Embora como se percebe, longe do que diz respeito à matéria salarial e pecuniária proposta pela Frente Sindical, regista-se no entanto o princípio da abertura para haver lugar a actualizações salariais e evolução profissional (Progressões/Promoções).
Regista-se também a abertura confirmada de analisar outras propostas dos Sindicatos em Matérias que contribuam para o desenvolvimento dos Trabalhadores e a estabilidade dos seus Direitos.

Ficam-nos no entanto e desde já sérias dúvidas, não só sobre até que ponto e de que forma o Comité Executivo poderá ir em matéria salarial e pecuniária, bem como os objectivos reais que pretende obter em Matéria de Mobilidade funcional, transferência do local de trabalho e horários concentrados.

Outra das reivindicações que os Sindicatos esperam obter concordância é no Pacote de Comunicações, tendo como principal objectivo a sua gratuitidade em analogia com o passado recente.

As reuniões de negociação serão semanais, duas sessões por semana, e pretende-se que o epílogo das negociações termine em meados de Junho.

20 de Abril de 2018

Os sindicatos: SINTTAV, STPT, SINDETELCO, SNTCT, SINQUADROS, STT, SITESE e FE

Comunicado Assembleia Geral 1-2018 – Assembleia Geral SNTCT

AG00

ASSEMBLEIA GERAL DO SNTCT
5 de Maio de 2018
em
Figueira da Foz

CONVOCATÓRIA

Abre aqui o comunicado em formato PDF » » » 2018-01 ASSEMBLEIA GERAL SNTCT

Nos termos dos Artigos 54.º, 55.º alínea J, 56.º Ponto 1.º, 57.º e 58.º dos Estatutos do SNTCT, publicados no BTE, 1.ª S, nº 4 de 29 de Janeiro de 2007 e das alterações introduzidas e publicadas no BTE, 1ª Série, nº 21 de 8 de Junho de 2015, bem como do Regulamento da Assembleia Geral que lhe é anexo, convoco os associados do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações a reunir em Assembleia Geral, em primeira convocatória, no dia 5 de Maio de 2018, pelas 14 horas, no Auditório Municipal da Figueira da Foz, Rua Calouste Gulbenkian, na Figueira da Foz, com a seguinte ordem de trabalhos:

1. Discussão e deliberação sobre o Relatório de Actividades e as Contas de 2017;
2. Discussão e deliberação sobre o Plano de Actividades e o Orçamento para 2018;
3. Diversos.

Não estando presentes a maioria legal dos associados à hora indicada, ficam os associados convocados a reunir em Assembleia Geral meia hora depois, em segunda e última convocatória, no mesmo local e com a mesma ordem de trabalhos, funcionando a Assembleia Geral com qualquer número de associados presentes.
Lisboa, 5 de Abril de 2018
O Presidente da Mesa da Assembleia Geral
do SNTCT

Auditório Municipal da Figueira da Foz
(Edifício do Museu Municipal da Figueira da Foz)
Rua Calouste Gulbenkian – Figueira da Foz

PARTICIPA!

Iremos organizar transportes em autocarro de aluguer (de que comparticiparemos 80% do custo) a partir das diversas regiões onde o número de interessados o justifique. As Secções Regionais do SNTCT abrirão antecipadamente as inscrições para o efeito.

Atenção: Onde pelo número de inscritos não se justificar o aluguer de um autocarro qualquer outro tipo de comparticipação nas despesas de deslocação será analisada caso a caso mas, sempre, tratado antecipadamente sem o que não haverá comparticipação.

Contacta já a Secção Regional do SNTCT da tua área para que possamos dar início à organização dos transportes.

www.sntct.pt – www.facebook.com/sntct

SNTCT – A força de continuarmos juntos!

ALTERAÇÃO REGIME TRANSMISSÃO DE EMPRESAS OU ESTABELECIMENTOS

altera1

COM UMA GRANDE SAUDAÇÃO AOS TRABALHADORES PT-MEO

PELO SEU GRANDE CONTRIBUTO, COM A SUA LUTA, PARA A ALTERAÇÃO DA LEI

altera1

Alteração do regime da transmissão de empresas ou estabelecimentos (Lei nº 14/2018, de 19 de Março)

Para consultar o texto da Lei nº 14/2018 clique aqui » » » LEI 14_2018 – 19 MARÇO

A POSIÇÃO DA CGTP-IN QUE O SNTCT SUBSCREVE NA INTEGRA:

 

“Camaradas,

Foi publicada a Lei 14/2018, de 19 de Março, que altera o regime da transmissão de empresas ou estabelecimentos constante do Código do Trabalho.

O objectivo desta alteração do regime da transmissão de empresa ou estabelecimento é reforçar os direitos dos trabalhadores, consagrando novas garantias, bem como um conjunto de novos procedimentos destinados a assegurar a legalidade do processo e a própria fundamentação da transmissão, sob controlo da administração do trabalho; com o mesmo objectivo é ainda clarificado o conceito de “unidade económica” para efeito da transmissão.

A principal garantia inovatoriamente consagrada nesta Lei é o direito de oposição do trabalhador à transmissão do seu contrato de trabalho quando esta transmissão seja susceptível de lhe causar prejuízo sério, nomeadamente por manifesta falta de solvabilidade ou situação financeira difícil do adquirente ou pelo facto de a política de organização do trabalho deste não lhe merecer confiança (artigo 286ºA).

O exercício deste direito de oposição do trabalhador tem como consequência ou a manutenção do vinculo com o transmitente (ou seja a manutenção do contrato de trabalho com o seu empregador original), ou, designadamente no caso de a transmissão da empresa ser total, a resolução do seu contrato de trabalho com justa causa e direito a compensação.

Cumpre aqui salientar que o direito a compensação pela resolução do contrato de trabalho com justa causa dependerá sempre da alegação e prova da existência de justa causa, neste caso concreto da alegação e prova de prejuízo sério para o trabalhador resultante da transmissão da empresa, em acção judicial intentada para o efeito.

Significa isto também que, em qualquer caso, não basta ao trabalhador alegar a existência de um prejuízo sério, terá que provar a sua existência decorrente nomeadamente de um dos factores expressamente definidos no nº1 do artigo 286ºA.

Outras novas garantias dos direitos dos trabalhadores em caso de transmissão são:

• O esclarecimento de que, em caso de transmissão dos contratos de trabalho, os trabalhadores mantêm todos os direitos contratuais e adquiridos, nomeadamente 
retribuição, antiguidade, categoria profissional e conteúdo funcional e benefícios sociais (artigo 285º, nº 3);

• O alargamento da responsabilidade solidária do transmitente pelos créditos emergentes do contrato de trabalho, sua violação ou cessação, bem como pelos correspondentes encargos sociais, vencidos até à data da transmissão, aos dois anos subsequentes a esta transmissão (artigo 285º,nº6);

• A possibilidade da legalidade e legitimidade da transmissão da empresa ou estabelecimento serem escrutinadas pela ACT (artigo 285º, nºs 8 e 9) e pelos próprios trabalhadores e seus representantes (artigo 286º);

• A garantia de que os efeitos produzidos pelo instrumento de regulamentação colectiva que vincula o transmitente, pelo menos no que respeita à retribuição do trabalhador, categoria e respectiva definição, duração do tempo de trabalho e regimes de protecção social substitutivos dos regimes públicos, se mantêm após o termo do respectivo prazo de vigência ou, em alternativa, findos 12 meses contados da transmissão, caso não seja aplicável ao adquirente qualquer instrumento de regulamentação colectiva de trabalho (artigo 498º).
O novo regime decorrente desta Lei 14/2018 entra em vigor no dia 20 de Março.

Não obstante considerar que estas alterações podem tornar o regime da transmissão de empresa ou estabelecimento mais claro e transparente e logo menos permeável a utilizações abusivas, a CGTP-IN alerta novamente para o facto de o novo regime agora instituído não constituir um meio ou instrumento idóneo para a resolução de processos concretos em curso, de que é exemplo o processo da PT/Altice, designadamente porque as novas disposições da lei não têm aplicação retroactiva.

Saudações Sindicais,

José Augusto Oliveira

Comissão Executiva do Conselho Nacional

CGTP-IN”

1 2 3 14