COMUNICADO SNTCT CORREIOS 7-2020

“CTT corrigem custos nas contas de 2016 e 2017, passando 30 milhões de euros da actividade postal para a actividade bancária”

José Varela Rodrigues – O Jornal Económico – 15 Setembro 2020

GESTÃO CTT QUIS ESCONDER, MAS FOI APANHADA!

AFINAL, ERA O SNTCT QUE ANDAVA A VER “FANTASMAS”?

ESTÁVAMOS ERRADOS E TIVERAM QUE CORRIGIR AS CONTAS?

Aproveitem a onda e corrijam também os salários negociados em baixa com base nas contas que agora foram obrigados a corrigirem.

OS CARTEIROS, TNG’S, MOTORISTAS E OUTROS CUJO TRABALHO É O SERVIÇO POSTAL, TAMBÉM CARECEM URGENTEMENTE DE VEREM CORRIGIDOS OS SEUS SALÁRIOS.

 

Abre aqui o comunicado em formato PDF:  2020_7 CTT CORREIOS

 

A actividade postal continua a ser o grande – enorme mesmo – suporte da actividade dos CTT. Basta estarmos atentos, lermos os números e tirarmos conclusões. Contudo, os trabalhadores cuja actividade principal é “correio”, além de continuarem a ter que dar a cara – todos os dias – por erros de serviço derivados de uma errada política de gestão, continuam também a ver decrescer o seu poder de compra enquanto os lucros que geram são canalizados para o Banco CTT.

Isso incluindo os que, tendo sido empurrados para a condição de um contrato de “pluriempregador”, executam funções bancárias e funções postais à vez e, porque são de raiz postal, têm muitas vezes ao seu lado a trabalhar gente que só faz banco e que nalguns casos, miraculosamente, ganha mais que os que executam duplas funções e, em alguns casos, mais que a própria chefia.

Sim, nós sabemos que também estávamos “errados” quando, saudando a criação do Banco, recusámos esta confusão de funções, esta sobreposição de uma rede bancária sobre uma rede postal que já era deficitária em meios humanos e operacionais. Estávamos tão “errados” que hoje o dia-a-dia se encarrega de nos dar, infelizmente, razão.

Um sobre investimento no desenvolvimento de um Banco que demorará a “ter pernas para andar” concomitantemente com um sob investimento nos diversos serviços postais e, custe a quem custar, a triste realidade é indesmentível; o Banco CTT a receber um prémio – UM PRÉMIO QUALQUER – e todo um folclore festivo é montado em torno do mesmo.

Os CTT Correios recebem queixa atrás de queixa, os trabalhadores postais são ofendidos – NA PRAÇA PÚBLICA – e o único movimento que se vê é o dos “inspectores” a ouvirem homens e mulheres extenuados – na distribuição, no atendimento mas não só – que sob ameaça de multas, suspensões e até despedimento – são obrigados a explicarem o que não tem outra explicação que não a má gestão e a falta de recursos humanos.

Olhe-se para a cara triste de homens e mulheres que, uma vida passada a servirem bem os cidadãos, são de repente tratados como criminosos – ACUSADOS COMO CRIMINOSOS – por erros provocados pela sobrecarga de trabalho, pela má direcção de trabalho, pela falta de recursos humanos e materiais, por uma criminosa desculpabilização de quem “pode quer e manda” que aplica a velha máxima militar de que “enquanto houver um magala abaixo na linha de comando, os chefes safam-se sempre”.

Mais “fantasmas” do SNTCT? Será mesmo?

Então que resposta têm para o Carteiro que, quando saiu para o giro, tinha o móvel vazio e que, vá lá saber-se porquê, no dia seguinte quando não no mesmo, recebe um pedido de informação porque se “esqueceu” de um registo (quase sempre já fora dos indicadores de qualidade?), isso quando manhã cedo não tem dois “inspectores” à sua espera, de penalização em riste, a forçarem-no a confessar, tantas vezes sob ameaça, o “crime” que não cometeu?

Sim, assim mesmo. E mais, que resposta têm para o mesmo Carteiro a quem, quer antes quer depois desse dia, obrigado a dobrar o giro por falta de pessoal, é dito que o maço de registos fica à espera de melhores dias ou, pior, que só vão para a rua os avisos dos mesmos, iludindo o sistema ao fazê-los passar à condição de impossibilidade de entrega e, assim, deixarem esses registos de constarem como saldo, passando no instante a avisados na EC mais próxima?

E ao Carteiro que, só para não ouvir a “buzina” da voz da chefia, anda a correr para conseguir entregar todo o correio que lhe mandam levar para a rua e, antes não tivesse já acontecido, mete “os pés pelas mãos” e entrega um objecto à cobrança sem proceder à mesma?

Sim. E que dizem ao TNG da EC mais próxima, onde o destinatário que estava em casa, não viu o Carteiro mas está atento e, depois de ver no sistema (em www.ctt.pt) que o seu registo está naquela EC desde o dia anterior aí se dirige para o levantar e lhe dizem que ele ainda não chegou?

Já agora, que respostas têm para o TNG que começa o dia no balcão dos serviços postais, que depois via fazer uma “perninha” no balcão do Banco, voltando depois aos serviços postais e, por estar extenuado, não põe a tal “cruzinha” no sistema e, cai na alçada dos inquiridores, sob ameaça de suspensão ou pior? E que dirão a esse mesmo TNG se enquanto salta de posição para posição, cansado, for vítima de uma falha que, in extremis, lhe pode levar, ou quase, todo o salário do mês?

Justiça? Onde está a justiça de um homem ou uma mulher que, depois de 10, 20, 30 ou até mais anos está a chefiar uma EC e sabe, porque apesar de sujeito(a) à “Lei da rolha” ele(a) sabe-o, que o jovenzito ou a jovenzita que veio do exterior trabalhar só para o serviço de Banco, está a ganhar o mesmo ou mais que ele(a)?

Só para que fique claro não temos nada contra esses novos trabalhadores que, não concordando nós com o princípio – puderam e tiveram condições para negociarem os seus salários acima do daqueles que estão a ser usados como “carne para canhão” e que como prémio apenas vêem a ingratidão.

E, por falarmos de ingratidão, ingratidão maior e de difícil adjectivação, falemos de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO, avaliações muitas “a olho”, em que trabalhadores e trabalhadoras foram somando pontos até atingirem 5 dos 6 necessários à progressão salarial e, irreal, receberam 2,45 de avaliação anual “porque eram excelentes” mas a quem não foi dito que a gestão, porque o pode fazer, passou a considerar que só 2,5 ou mais de avaliação anual contam para a obtenção de um ponto para os 6 necessários? Vai uma aposta que a generalidade dos trabalhadores que já tinham os 5 pontos vão passar de “bestiais a bestas” para nunca verem a almejada progressão profissional?

EMFIM, PARA QUANDO A CORREÇÃO DE TODAS AS ANOMALIAS PROVOCADAS POR UMA GESTÃO QUE, AINDA, NÃO ENTENDEU QUE É A ÚNICA PARTE DISPENSÁVEL NO TODO DOS TRABALHADORES DA EMPRESA?

A Direccção Nacional do SNTCT

www.sntct.pt

www.facebook.com/sntctwww.instagram.com/sntct7 –  https://twitter.com/SNTCT

 

SNTCT – a força de continuarmos juntos!

 

ASSEMBLEIA GERAL SNTCT – INQUÉRITO PRÉVIO OBRIGATÓRIO A TODOS(AS) OS(AS) PARTICIPANTES

ASSEMBLEIA GERAL DO SNTCT

MEDIDAS DE CONTENÇÃO DO COVID

ABRE AQUI O INQUÉRITO PARA IMPRESSÃO » » »QUESTIONÁRIO SNTCT PARA UACS
Camaradas,
Devido às medidas de contenção do contágio pelo COVID-19, a realização da nossa Assembleia Geral do SNTCT (e também da Assembleia Geral de Aposentados do SNTCT) devem obedecer a algumas regras tais como:
  • Uso obrigatório de máscara durante a realização da Assembleia (devendo cada participante trazer a sua embora, como medida de salvaguarda para eventual esquecimento, vamos disponibilizar algumas máscaras descartáveis);
  • Medidas de distanciamento obrigatório entre participantes;
  • Higienização de instalações e materiais.
Uma das medidas incluída no Plano de Contingência da UACS, em cujas instalações vão ser realizadas as nossas Assembleias Gerais no próximo dia 19 de Setembro, vamos ter que preencher e entregar antecipadamente o questionário anexo que, devidamente preenchido, nos deve chegar, sem falta, até ao final do dia 17 de Setembro, por uma das seguintes vias:
  • Entregue em mão nas instalações do SNTCT ou a um Dirigente;
  • Entregue por E-mail ( sntct@sntct.pt );
  • Remetido pelo correio para a Sede do SNTCT (Alameda D. Afonso Henriques, 41-r/c – 1000-123 Lisboa). Neste caso TER EM ATENÇÃO O TEMPO NECESSÁRIO À SUA CHEGADA.
Para qualquer esclarecimento adicional devem os(as) camaradas contactar-nos através do telefone da Sede – 21 842 89 00.
SNTCT – A força de continuarmos juntos!

 

COMUNICADO CONJUNTO SOBRE CONCILIAÇÃO MATÉRIA SALARIAL NOS CTT

APÓS PEDIDO DE CONCILIAÇÃO EFECTUADO PELOS SINDICATOS SOBRE OS AUMENTOS SALARIAIS DE 2020, REALIZOU-SE DIA 2 DE SETEMBRO, NA DGERT, A 1ª REUNIÃO

OS CTT NEM ALTERARAM A SUA POSIÇÃO NEM QUERIAM MAIS REUNIÕES.

OS SINDICATOS INSISTIRAM NA CONTINUIDADE DO PROCESSO DE CONCILIAÇÃO E A CONCILIADORA MARCOU A PRÓXIMA PARA O DIA 29 DE SETEMBRO.

Abre aqui o comunicado em formato PDF 》》》Comunicado sindicatos CTT conciliação 2 set 2020

SINDICATOS VÃO REUNIR PARA ELABORAR UMA PROPOSTA COMUM PARA APRESENTAR NA PRÓXIMA REUNIÃO DE CONCILIAÇÃO

Realizou-se ontem, dia 2 de Setembro, a 1ª reunião de conciliação sobre os aumentos salariais para 2020.

Nesta reunião os CTT mantiveram a sua posição, ou seja, não estão disponíveis para negociar aumentos salariais.

É falacioso o argumento invocado pelos CTT de que as receitas do 1º trimestre foram ligeiramente negativas (-2%), uma vez que com a imposição do cartão do supermercado reduziram as despesas em cerca de 1.900.000 euros e com a diminuição do número de trabalhadores reduziram as despesas (impostos incluídos) em cerca de 8.600.000 euros. Assim sendo, a soma destas importâncias dava para aumentar os cerca de 12.000 trabalhadores em 45 euros a cada um.

Não é por falta de dinheiro que os CTT se recusam a negociar aumentos na tabela salarial, é porque NÃO QUEREM.

Mas como os trabalhadores também têm uma palavra a dizer e QUEREM AUMENTOS SALARIAIS, se os CTT não alterarem a sua posição no dia 29 de Setembro no sentido de chegar a um acordo, certamente que o 3º trimestre de 2020 vai ter um clima laboral muito complicado.

Lisboa, 3 de Setembro de 2020

COMUNICADO DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL 3-2020

ASSEMBLEIA GERAL DE APOSENTADOS DO SNTCT

19 de Setembro de 2020

em

Lisboa

CONVOCATÓRIA

Abre aqui o comunicado em versão PDF » » » 2020-03 ASSEMBLEIA GERAL APOSENTADOS DO SNTCT

Nos termos do Artigo 72.º dos Estatutos do SNTCT, publicados no BTE, 1.ª S, nº 4 de 29 de Janeiro de 2007 e das alterações introduzidas e publicadas no BTE, 1ª Série, nº 21 de 8 de Junho de 2015 bem como dos regulamentos que lhe são anexos, convoco os associados aposentados do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações a reunir em Assembleia Geral de Aposentados, em primeira convocatória, no dia 19 de Setembro de 2020, pelas 14 horas, na R. Castilho 14, em Lisboa, com a seguinte ordem de trabalhos:

 

  1. Discussão e deliberação sobre o Relatório de Actividades da Comissão Nacional de Aposentados do SNTCT de 2019;
  2. Discussão e deliberação sobre o Plano de Actividades da Comissão Nacional de Aposentados do SNTCT para 2020;

 

Não estando presentes a maioria legal dos associados à hora indicada, ficam os associados convocados a reunir em Assembleia Geral meia hora depois, em segunda e última convocatória, no mesmo local e com a mesma ordem de trabalhos, funcionando a Assembleia Geral com qualquer número de associados presentes.

Nota: A Assembleia Geral realiza-se nesta data por via da Pandemia provocada pelo vírus Covid-19. Devido à necessidade de observarmos todas as medidas de protecção definidas durante a Pandemia os associados que participarem nesta Assembleia devem vir munidos de máscara de protecção e, respeitarem rigorosamente a organização de lugares pré-estabelecida na sala onde a mesma tem lugar.

Lisboa, 19 de Agosto de 2020

                     O Presidente

                                                              da Mesa da Assembleia Geral do SNTCT

                                                                        António José Gouveia Duarte da UACS

  1. Castilho 14,

em Lisboa

 

PARTICIPA!

Iremos organizar transportes em autocarro de aluguer (de que comparticiparemos 80% do custo) a partir das diversas regiões onde o número de interessados o justifique. As Secções Regionais do SNTCT abrirão antecipadamente as inscrições para o efeito.

Atenção: Onde pelo número de inscritos não se justificar o aluguer de um autocarro qualquer outro tipo de comparticipação nas despesas de deslocação será analisada caso a caso mas, sempre, tratado antecipadamente sem o que não haverá comparticipação.

ATENÇÃO – MUITO IMPORTANTE

MEDIDAS PROTECÇÃO COVID-19

Devido à necessidade de observarmos todas as medidas de protecção definidas durante a Pandemia Covid-19 os associados que participarem nesta Assembleia devem vir munidos de máscara de protecção e, respeitarem rigorosamente a organização de lugares pré-estabelecida na sala onde a mesma tem lugar.

 

SNTCT – a força de continuarmos juntos!

www.sntct.pt

www.facebook.com/sntctwww.instagram.com/sntct7 –  https://twitter.com/SNTCT

COMUNICADO MESA DA ASSEMBLEIA GERAL – 2-2020

ASSEMBLEIA GERAL DO SNTCT

19 de Setembro de 2020

em

Lisboa

 

CONVOCATÓRIA

Abre aqui o comunicado em formato PDF » » » 2020_02 SNTCT MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

Nos termos dos Artigos 54.º, 55.º alínea J, 56.º Ponto 1.º, 57.º e 58.º dos Estatutos do SNTCT, publicados no BTE, 1.ª S, nº 4 de 29 de Janeiro de 2007 e das alterações introduzidas e publicadas no BTE, 1ª Série, nº 21 de 8 de Junho de 2015, bem como do Regulamento da Assembleia Geral que lhe é anexo, convoco os associados do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações a reunir em Assembleia Geral, em primeira convocatória, no dia 19 de Setembro de 2020, pelas 14 horas, no Auditório da UACS, R. Castilho 14, em Lisboa, com a seguinte ordem de trabalhos:

  1. Discussão e deliberação sobre o Relatório de Actividades e as Contas de 2019;
  2. Discussão e deliberação sobre o Plano de Actividades e o Orçamento para 2020;

Não estando presentes a maioria legal dos associados à hora indicada, ficam os associados convocados a reunir em Assembleia Geral meia hora depois, em segunda e última convocatória, no mesmo local e com a mesma ordem de trabalhos, funcionando a Assembleia Geral com qualquer número de associados presentes.

Nota: A Assembleia Geral realiza-se nesta data por via da Pandemia provocada pelo vírus Covid-19. Devido à necessidade de observarmos todas as medidas de protecção definidas durante a Pandemia os associados que participarem nesta Assembleia devem vir munidos de máscara de protecção e, respeitarem rigorosamente a organização de lugares pré-estabelecida na sala onde a mesma tem lugar.

Lisboa, 19 de Agosto de 2020

 

O Presidente

  da Mesa da Assembleia Geral do SNTCT

António José Gouveia Duarte

 

Auditório da UACS

  1. Castilho 14,

em Lisboa

PARTICIPA!

Iremos organizar transportes em autocarro de aluguer (de que comparticiparemos 80% do custo) a partir das diversas regiões onde o número de interessados o justifique. As Secções Regionais do SNTCT abrirão antecipadamente as inscrições para o efeito.

Atenção: Onde pelo número de inscritos não se justificar o aluguer de um autocarro qualquer outro tipo de comparticipação nas despesas de deslocação será analisada caso a caso mas, sempre, tratado antecipadamente sem o que não haverá comparticipação.

ATENÇÃO – MUITO IMPORTANTE

MEDIDAS PROTECÇÃO COVID-19

Devido à necessidade de observarmos todas as medidas de protecção definidas durante a Pandemia Covid-19 os associados que participarem nesta Assembleia devem vir munidos de máscara de protecção e, respeitarem rigorosamente a organização de lugares pré-estabelecida na sala onde a mesma tem lugar.

 

SNTCT – a força de continuarmos juntos!

www.sntct.pt

www.facebook.com/sntctwww.instagram.com/sntct7 –  https://twitter.com/SNTCT 

COMUNICADO CONJUNTO SINDICATOS ALTICE PORTUGAL – 5 AGOSTO 2020

NEGOCIAÇÃO DO ACT ALTICE PORTUGAL

PROCESSO SERÁ RETOMADO EM SETEMBRO/OUTUBRO

A FRENTE SINDICAL NÃO CEDE A CHANTAGENS
SEM AUMENTOS SALARIAIS NÃO HÁ ACORDO

1º SEMESTRE DE 2020 COM “DESEMPENHO OPERACIONAL EXCEPCIONAL”
SÓ PARA OS ACCIONISTAS?

 

Abre aqui o comunicado em formato PDF » » » Comunicado_NEGOCIAÇÃO DO ACT ALTICE PORTUGAL_05 de Agosto

Na reunião do passado dia 30 de Julho deu-se mais um pequeno passo para a obtenção de um acordo que vá ao encontro das necessidades e espectativas dos trabalhadores das empresas da Altice Portugal abrangidas pelo ACT.

Mas o que já foi consensualizado está ainda muito longe do necessário para um acordo.

SALÁRIOS
Salário mínimo dos trabalhadores que se encontram ao serviço para 740 euros com efeitos a 1/7. Quem ganha menos fica com base de 740 euros (cerca de 225 trabalhadores abrangidos). A Frente Sindical propôs o valor mínimo de 760€ e qualquer aumento deverá ter efeitos retroactivos a 1 de Janeiro, compromisso, alias, que já sido assumido pela empresa em Fevereiro.

EVOLUÇÃO PROFISSIONAL
A empresa assumiu mais 60 movimentos de evolução profissional para juntarem aos 150 já avançados para 2020. Estes 60 movimentos (30 de progressão e 30 de promoção) são para trabalhadores que pelo menos há 10 anos não são movimentados. Sendo positivo, esta medida é curta e muito distante da proposta de Frente Sindical se considerarmos que cerca de 70% do trabalhadores não têm evolução profissional (não são progredidos e/ou promovidos) há 7 anos ou mais.

PRÉMIO DE APOSENTAÇÃO
Acerto no prémio de aposentação. No prémio máximo a empresa aceitou a proposta da Frente Sindical de reduzir de 47 anos para 45 anos, mas ainda não aceitou alterar os valores. Aceitam manter o prémio em dobro na reforma/aposentação dos trabalhadores do activo que o façam até 31/12/2021.

PLANOS DE SAÚDE
Manutenção dos Planos de Saúde inalterados até 31/12/2021. A Frente Sindical continua a defender uma garantia até ao final de 2023.

PACOTE DE COMUNICAÇÕES
Assumiram que vai haver melhorias no pacote de Comunicações a partir de Setembro com redução de encargos para os trabalhadores. No entanto a empresa não quis avançar quais as melhorias que aceitava face à proposta feita pela Frente Sindical.

ALTERAÇÕES ACT
Nas restantes matérias mantem-se a informação do nosso comunicado anterior, com destaque para a inclusão da PT CONTACT, MEO ST e FASTFIBER no âmbito do ACT, o pagamento do Subsídio de Refeição ao fim de 3 horas de trabalho, o aumento do valor mínimo no Subsídio de Turno em 50% (de 30€ passa para 45 e de 60€ passa para 90).
Já foram aceites pela gestão 18 medidas que melhoram o ACT, que embora positivas, são apenas uma gota de água no oceano, se comparado com todos os temas mais importantes em relação aos quais ainda não há acordo e não sabemos se vai haver.

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO
Para a Frente Sindical, o tema da Avaliação do Desempenho tem que ser seriamente tratado. A Empresa tem que perceber que é necessário introduzir alterações de fundo, que tornem o Modelo credível junto dos trabalhadores, caso contrário não vale a pena continuarmos com um sistema tão descaracterizado no qual já ninguém acredita. Com esse objectivo, estamos a trabalhar na procura das alterações positivas e indispensáveis. A Frente Sindical propôs que esta matéria fizesse parte do protocolo. A gestão ainda não aceitou.

TABELA DE REMUNERAÇÕES MÍNIMAS
A Frente Sindical propôs que ficasse garantido em protocolo a constituição de um Grupo de Trabalho, integrando elementos dos Parceiros Sociais, para se ocupar da análise objectiva da Tabela de Remunerações Mínimas, abrangendo todas as suas componentes por forma a poder ser integrada na próxima revisão do ACT. A gestão ainda não aceitou.

AUMENTOS SALARIAIS PARA TODOS
A Frente Sindical não abdica de negociar o aumento salarial para todos!
Compromisso que já estava assumido e que a gestão recuou evocando este período da COVID-19 para não pagar o prémio face aos resultados de 2019 considerados “históricos” pelo CEO, nem aceitar até agora aumentos salariais generalizados para 2020.

ESCLARECEDOR
O COMEX divulgou na Comunicação Social e internamente uma informação elogiadora sobre “o desempenho operacional extraordinário no 1º semestre de 2020”, mas em relação aos que produzem a riqueza que é toda canalizada para os accionistas, que são os trabalhadores, nem uma palavra é dita, o que é esclarecedor e mostra à evidência o que representam para a gestão aqueles que trabalham duramente para os resultados
alcançados. Mas ao menos podia o COMEX já ter assumido honrar os compromissos relativos aos aumentos salariais para 2020, mas preferem o adiamento desta discussão para Outubro.

Na última sessão a empresa tentou obter um acordo, em 2 fases, primeiro obter a assinatura e mandar publicar estas 18 melhorias consensualizadas, sem aumentos salariais.

Uma segunda fase seria em Outubro para então se discutirem os aumentos salariais e não havendo acordo, que é o mais previsível, ficava-se pelo clausulado publicado.

A Frente Sindical não aceita chantagens, para nós o Acordo é global e a assinatura terá de implicar aumentos salarias para os trabalhadores.

A FRENTE SINDICAL EM OUTUBRO IRÁ DISCUTIR A SITUAÇÃO COM OS TRABALHADORES,
AUSCULTAR A SUA OPINIÃO E PROCURAR EM CONJUNTO A RESPOSTA A DAR, QUE TERÁ QUE SER À ALTURA DO QUE É HÁBITO, PORQUE OS TRABALHADORES AINDA NÃO ESQECERAM QUE QUANDO É PRECISO, RESPONDEM EM CONFORMIDADE.

TRABALHO SUPLEMENTAR, PREVENÇÃO COM INTERVENÇÃO LOCAL E CHAMADA ACIDENTAL

DRH divulgou recentemente um documento sobre “TRABALHO SUPLEMENTAR E PREVENÇÃO”, não se sabe qual o objetivo com que foi feito.

O documento além de estar incompleto é impreciso, o que leva a confusões e a interpretações erradas.

Sobre esta matéria nada mudou, mas a DRH tem que esclarecer a confusão, que criou, premeditada ou não.

Quando a DRH escreve que: “As horas de deslocação para trabalho suplementar, não são
contabilizadas no trabalho suplementar a registar”, está a gerar a confusão, porque isto não se pode aplicar à Prevenção e Chamada Acidental, cujas intervenções são pagas como trabalho suplementar.

A Frente Sindical não consegue entender a resistência da DRH a esclarecer o erro que cometeu.

Esperamos que o faça rapidamente, caso contrário, teremos que dar orientações aos trabalhadores.

Mais uma vez, os trabalhadores que não assinaram o contrato de cedência para a MEO ST,
continuam na lista negra.

Agora tocou a vez a um conjunto de trabalhadores da área Administrativa, que desde 2016 vinha recebendo o Subsídio de Turno em função dos horários praticados e no mês de Junho passado ainda receberem.

Porém, no mês de Julho tal já não lhe foi processado e a gestão nem ao menos se dignou dar-lhes uma explicação. É o caminho desta Gestão, o facto consumado, tirar o que podem a quem pouco tem, para darem o máximo a quem muito tem.

Trabalhador, olho vivo, porque há por aí muitos “APRENDIZES DE FEITICEIRO” que se julgam “MAIS PAPISTAS QUE O PAPA”.

PARA QUEM VAI, BOAS FÉRIAS, PARA QUEM VOLTA, BOM REGRESSO!

Lisboa, 5 de Agosto de 2020 Os Sindicatos subscritores

 

CTT – COMUNICADO CONJUNTO 27/07/2020

SITUAÇÃO NOS CTT

AGRAVA-SE DIA APÓS DIA

OS TRABALHADORES NÃO PODEM CONFIAR NUMA GESTÃO QUE ENGANA, ILUDE E, INFUNDADAMENTE, DIZ FALSIDADES

Abre aqui o comunicado em formato PDF » » » Comunicado sindicatos CTT 27_7_2020

Os CTT começaram por impor o “cartão de refeição”, recusaram negociar aumentos salariais, promovem o atraso e degradação do serviço postal por falta de trabalhadores, tentam enganar a opinião pública para esconder a paupérrima situação a que chegou um dos maiores empregadores nacionais, uma empresa com 500 anos de história, que tinha a confiança de todo o país (e que urge reconquistar essa confiança) – OS CTT CORREIOS DE PORTUGAL.

No entanto estas e outras medidas que a gestão dos CTT tomou, parece que ainda não são suficientes para destruir o serviço postal universal. Assim, na sua devastadora actividade ainda têm tempo para continuar a congeminar umas quantas ideias que têm que ser paradas de imediato pelos trabalhadores:

1 – Mobilidade CTT;

2 – Futurnho;

3 – Conhecer;

4 – Transição de etapa de vida.

Estes gestores que não capazes de resolver os problemas dos CTT, dos trabalhadores e da prestação do Serviço Postal Universal, gastam o tempo a elaborar estas ideias altamente desqualificadas.

SINDICATOS REUNIRAM E APROVARAM MEDIDAS A TOMAR

  • Todos os Sindicatos irão interpor acções em Tribunal para exigir o pagamento do subsídio de refeição em dinheiro como sempre foi;
  • Foi pedida a conciliação à DGERT do processo de negociação salarial para 2020. Está já marcada a 1ª reunião para o dia 20 de Agosto;
  • Fazer um ofício (insistência) à comissão nacional de protecção de dados. Até agora, passados vários meses ainda não deram reposta à participação;
  • Fazer 2 cartas abertas à Associação de Municípios e à Associação Nacional de Freguesias;
  • Programar a distribuição de documentos à população nas capitais de distrito;
  • Efectuar uma concentração/manifestação em Lisboa em local a designar, na semana de 14 a 18 de Setembro;
  • Efectuar reuniões periódicas de sindicatos até ao final do mês de Agosto;
  • Elaborar comunicados a dar conhecimento aos trabalhadores do decorrer das acções;
  • Continuar a fazer sessões e plenários com os trabalhadores e levar a efeito as decisões aprovadas;
  • A partir do mês de Setembro mobilizar os trabalhadores para as mais variadas formas de luta.

EM UNIDADE E ATRAVÉS DA LUTA OS TRABALHADORES VÃO CONSEGUIR PARAR A DESTRUIÇÃO DOS CTT, DEFENDER O SERVIÇO POSTAL UNIVERSAL E CONSEGUIR AS SUAS REIVINDICAÇÕES

 

Lisboa, 27 de Julho de 2020

SNTCT

SINDETELCO

SITIC

SINCOR

SINQUADROS

SINTTAV

SICOMP

FENTCOP

SERS

COMUNICADO SNTCT CORREIOS 6-2020

IMPOSIÇÃO DO CARTÃO DE REFEIÇÃO AOS TRABALHADORES CTT

PROCESSO JÁ ENTROU EM TRIBUNAL

Abre aqui o comunicado em formato PDF » » » 2020_06 CTT CORREIOS

Tal como compromisso assumido na altura com os Trabalhadores e as Trabalhadoras dos CTT, o SNTCT leva os CTT a Tribunal contestando e exigindo o fim da imposição – unilateral e lesiva dos interesses dos Trabalhadores – do cartão de refeição por parte da gestão da Empresa.

Assim, depois de recolhida toda a documentação necessária, deu entrada na passada Sexta-feira, dia 24, no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, o processo elaborado pelo Gabinete Jurídico do SNTCT e que tem como mandatária subscritora a Dr.ª Maria Antónia Beleza, Advogada do SNTCT no Porto.

Do evoluir do processo iremos dando conta à medida que tal for sendo possível.

Lisboa, 27 de Julho de 2020

A Direcção Nacional do SNTCT

Consulta as páginas do SNTCT em

www.sntct.pt e www.facebook.com/sntct e www.instagram.com/sntct7 e https://twitter.com/SNTCT

SNTCT – A força de continuarmos juntos!

Comunicado SNTCT Call Centers

TELETRABALHO
PRÓS E CONTRAS
QUEM GANHA COM ESTA FORMA DE TRABALHO

Abre aqui o comunicado em verdsa2020_5 CALL CENTERS

Foram muitas as empresas a optar por este regime de trabalho quando começou o surto de pandemia Covid-19. Quase todas elas tinham como objectivo diminuir despesas e tentar diminuir postos de trabalho a curto ou médio prazo, no sector de comunicações e telecomunicações não foi diferente. Foi uma forma expedita, de retirar os trabalhadores do seu local de trabalho, de os isolar, manter em casa e ao mesmo tempo assegurar o serviço às operadoras.
Algo que na altura nos pareceu uma opção válida, desde que as empresas cumprissem com todos os direitos dos trabalhadores. Situação essa, que nem sempre se veio a verificar. Várias foram as solicitações dos trabalhadores, sobre diversas situações a que o SNTCT teve de dar resposta, seja pela via sindical, a maioria, seja Jurídica em alguns casos que foram, ou estão a ser tratados pelo contencioso (Advogados) do Sindicato.
É verdade, pois só quem não conhece a realidade da maioria dos locais de trabalho (Call Centers), acharia possível acautelar e assegurar a segurança e a saúde dos trabalhadores, nos locais de trabalho.
Compreendemos que quem vive a uma distância considerável do local de trabalho, possa preferir trabalhar a partir de casa, poupa tempo nos transportes, evita ter de fazer o percurso entre casa e o local de trabalho todos os dias onde o risco de contágio é maior. É irrealista pensar que tal ganho se vai refletir na conciliação entre a vida pessoal e o trabalho de cada um.
Trabalhar a partir do local de trabalho ajuda a gerir mentalmente a relação de trabalho?
• O trabalho, quando prestado a partir do local de trabalho, ajuda o trabalhador a restringir a actividade laboral a esse espaço, ajudando a separar a atividade profissional da sua vida pessoal, social e familiar.
• Com essa separação de tempos e espaços de trabalho, permite ainda gerir os riscos quer físicos, quer psicológicos a que está sujeito, não sujeitando quem com ele vive a também ser afetado.
• Quando um trabalhador se afasta do local de trabalho, mas continua debaixo do controlo da entidade patronal, pode libertar-se de algum stress, mas por outro lado, pode transportar esse stress para o seu agregado familiar!
Levar o trabalho para casa pode agravar a exposição aos riscos psicossociais!
• O estar a trabalhar de casa em teletrabalho, diminui a exposição aos riscos, evita a socialização com colegas, chefias… Porém não exclui riscos, como a discriminação entre trabalhadores, a injustiça no tratamento de situações idênticas, a subvalorização do seu desempenho e a prepotência de alguns responsáveis da empresa.
• Podemos ainda adicionar o isolamento, a solidão, a falta de contacto humano para discussão, a menor troca de experiências, a perda de poder reivindicativo, a sujeição a condições de trabalho que não pode comparar e controlar, sendo possível à entidade patronal sujeitar um trabalhador isolado a uma carga cada vez maior de trabalho sem que este se aperceba, sem que tenha os parâmetros de comparação que antes utilizava e que lhe permitiam saber se estava a ser discriminado ou não.
• É plausível que, em teletrabalho, todo o encadeamento de experiências que ajudam o trabalhador a moldar a sua relação com o trabalho e com a entidade patronal sejam profundamente afetados em seu desfavor. Um trabalhador isolado é um trabalhador mais vulnerável à exploração.
O teletrabalho – invasor de domicílios
• Se coubesse ao trabalhador a decisão de ser colocado em teletrabalho ou de reverter a decisão, mas não o é porque esse poder é imposto pela entidade patronal, aliás, mesmo numa situação normal em que a decisão é lavrada “por acordo”, devemos questionar em que medida um trabalhador é livre para efetivamente não aceitar esse “acordo”.
Há empresas em Portugal que utilizam programas informáticos para controlar todos os passos dos funcionários em teletrabalho sem que estes tenham conhecimento, acusou uma especialista.
• A denúncia foi feita pela professora da Universidade do Minho, Teresa Coelho Moreira, num debate organizado recentemente pela Associação Práxis – Reflexão e Debate sobre Trabalho e Sindicalismo sobre «Teletrabalho e Direitos: a Lei e a Negociação». «Controlam tudo, mas mesmo tudo: os dados pessoais dos trabalhadores ou as fotografias que têm no computador, que são externos à prestação de trabalho; controlam todas teclas que o trabalhador usa e a velocidade (tiram screen shots sucessivos do écran). (…) Sabem o que está a fazer em cada momento, quem lá está do agregado familiar, incluindo menores», acusou a docente especializada em privacidade e protecção de dados pessoais, citada pela rádio “Renascença”.
A corroborar o que aqui expomos, ficam mais alguns dados:
• · 27% dos trabalhadores a trabalhar a partir de casa, durante a pandemia, referem ter de trabalhar durante o tempo livre para cumprirem as suas tarefas
• · 32% das mulheres e 28% dos homens colocados em trabalho a partir de casa, referem estar preocupados com o trabalho mesmo quando estão fora do horário de trabalho;
• · 29% das mulheres e 19% dos homens colocados a trabalhar a partir de casa, referem estar demasiado cansados após a jornada de trabalho
Nota: dados retirados de Eurofound, Living, Working and Covid-19 First Findings – April 2020
Será que o teletrabalho contribui de facto para uma maior libertação do trabalho?
Não! Se as leis laborais continuarem a ser o que são, se os sindicatos continuarem a ficar à porta das empresas, se os trabalhadores continuarem a ser perseguidos por pensarem de forma diferente, se o período normal de trabalho não for reduzido, etc.
Neste quadro, o teletrabalho prestado a partir de casa, só pode significar mais exploração e maior sujeição do trabalhador ao trabalho em detrimento da sua vida familiar.

• SINDICALIZA-TE NO SNTCT

www.sntct.pt – www.facebook.com/sntct
SNTCT – a força de continuarmos juntos!

CTT – Comunicado conjunto 2 Julho 2020

CTT ENCERRAM NEGOCIAÇÕES SOBRE OS AUMENTOS SALARIAIS PARA 2020

 

 

AFIRMARAM QUE NÃO TINHAM DISPONIBILIDADE PARA AUMENTAR SALÁRIOS

 

OS SINDICATOS VÃO REUNIR AINDA ESTA SEMANA PARA ELABORAR UM PLANO DE ACÇÕES E LUTAS, PORQUE OS TRABALHADORES ESTÃO FARTOS DAS ATITUDES PREPOTENTES DA ADM DOS CTT

Abre aqui o comunicado em formato PDF  》》》Comunicado sindicatos negociaçoes salariais 1_7_2020

Como era de prever os CTT abriram o processo negocial só porque foram obrigados e apenas para inglês ver, porque na verdade não tinham qualquer vontade negocial.

Outra coisa não era de esperar de uma gestão que está a levar os CTT à quase degradação total.

Se a abertura das negociações era para ficarem bem na fotografia, então enganaram-se porque ficou desfocada e toda esborratada.

Mas os trabalhadores não trabalham para a fotografia, trabalham para ganhar o seu salário – que é cada vez mais baixo – e não estão disponíveis para aceitar o que lhes querem impor. Claro que à prepotência e à ignorância da realidade dos CTT, os trabalhadores vão responder através da luta.

A organização da luta vai ser discutida com os trabalhadores e podem os senhores gestores ter a certeza, vai ser dura e prolongada.

OS TRABALHADORES VÃO ALCANÇAR OS SEUS OBJECTIVOS

Lisboa, 2 de Julho de 2020

1 2 3 12