COMUNICADO CONJUNTO DE TODOS OS SINDICATOS DOS CTT

COMUNICADO CONJUNTO DE TODOS OS SINDICATOS DOS CTT

A EMPRESA PRETENDIA NÃO CUMPRIR O AE/CTT TEMPORARIAMENTE E GERIR UNILATERALMENTE ALGUMAS MATÉRIAS

Abre aqui o comunicado em versão PDF »»»comunicado conjunto sindicatos CTT_abril 2020

A empresa, após exaustiva análise e cuidada ponderação, delineou um conjunto de medidas extraordinárias (propostas) que a seguir se enumeram:
a) Pagamento do subsídio de refeição exclusivamente através de cartão, de forma generalizada a todos os trabalhadores;
b) Marcação unilateral imediata de férias vencidas em anos anteriores e ainda não gozadas;
c) Marcação unilateral de metade das férias vencidas em 01-01-2020, entre 1 de maio e 31 de outubro;
d) Pagamento do subsídio de férias no processamento salarial do mês de agosto, a todos os trabalhadores, independentemente do momento do gozo das férias respetivas;
e) Diferimento do pagamento das novas diuturnidades e novas progressões/promoções salariais, que se vençam a partir de 8 de abril de 2020, para o ano de 2021, com efeitos retroativos às datas dos respetivos vencimentos.
Com exceção da primeira medida enunciada (cartão de refeição), que se pretende manter, todas as demais medidas serão de duração exclusivamente temporária, vigorando apenas no contexto da actual crise associada ao CoViD-19. As medidas referidas em b) e c) serão concretizadas posteriormente em cada serviço.
A empresa reiterou a manifesta qualificação da informação anexada como confidencial, v.g., para os efeitos previstos no artigo 412.º do Código do Trabalho.

RESUMO DAS CONVERSAS TIDAS COM OS CTT APÓS CONHECIMENTO DA PROPOSTA
Durante este período os Sindicatos não divulgaram o conteúdo destas conversas/negociações apenas pela obrigação de respeitar o dever de sigilo.
Até à presente data houve 4 reuniões por videoconferência (entre 8 e 21 de Abril) e 2 reuniões entre todos os sindicatos. Quer os Sindicatos quer os CTT alteraram as suas posições iniciais e tentaram alcançar um acordo que fosse ao encontro das necessidades dos CTT e dos direitos e interesses dos trabalhadores. As posições finais de ambas as partes foram as seguintes:

ÚLTIMA PROPOSTA DA EMPRESA ÚLTIMA PROPOSTA DOS SINDICATOS
1 CARTÃO DE REFEIÇÃO 1 CARTÃO DE REFEIÇÃO
Cartão de refeição obrigatório até 31 maio de 2021 prazo findo o qual o trabalhador pode desistir Cartão de Refeição por um período máximo de 1 ano
A Empresa admite a restrição para trabalhadores com salário base até 700/750€ O Cartão de Refeição não deve ser obrigatório para trabalhadores com salário base abaixo de 850,00€ e a casais em que ambos sejam trabalhadores.
2 MARCAÇÃO DE FÉRIAS DE 2019 2 MARCAÇÃO DE FÉRIAS DE 2019
Marcação unilateral imediata de férias vencidas em anos anteriores a 2020 e ainda não gozadas. Neste ponto estaríamos de acordo de acordo.
3 MARCAÇÃO UNILATERAL DE METADE DAS FÉRIAS DE 2020 3 MARCAÇÃO UNILATERAL DE METADE DAS FÉRIAS DE 2020
Marcação unilateral de metade das férias vencidas em 01-01-2020, entre 1 de maio e 31 de outubro, devendo-se ter em conta situações de cônjuges ou equiparados em que ambos sejam trabalhadores dos CTT. Esta marcação é obrigatoriamente precedida de tentativa de acordo com o trabalhador. Serão excecionados desta medida todos os trabalhadores que comprovadamente, antes de 8 de abril de 2020, já tenham realizado despesas referentes a marcação de férias Sindicatos aceitam desde que sejam tidos em atenção os casais e os trabalhadores que já tenham pago férias antecipadamente e que impere o bom senso na marcação evitando o “quero-posso-mando”.
4 PAGAMENTO DO SUBSÍDIO DE FÉRIAS DE FÉRIAS NO MÊS DE AGOSTO 5 PAGAMENTO DIFERIDO DE PROMOÇÕES E DIUTUIRNIDADES
A todos os trabalhadores, independentemente do momento do gozo das férias respetivas, em duas prestações iguais, a primeira, no processamento salarial do mês de julho/2020 e a segunda, no processamento salarial do mês de agosto/2020. Até 31 de março de 2021.
DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS
Não se podem comprometer porque tal é da competência da Assembleia de Accionistas. Compromisso dos CTT, como forma de resolver problemas causados pela pandemia e como salvaguarda do futuro da Empresa e dos trabalhadores, da não distribuição de lucros nos próximos dois anos.
VIGÊNCIA DO AE/MEDIDAS TRANSITÓRIAS VIGÊNCIA DO AE/MEDIDAS TRANSITÓRIAS
Este acordo de revisão parcial do atual AE CTT, terá vigência até 31 de maio de 2021, tendo em conta a vigência das medidas nele constantes. Dão acordo às alterações de 1 a 5, ficando as mesmas como cláusulas transitórias acrescentando-as no AE que manterá o texto actual, passando a ser o AE CTT 2020 (com uma vigência de 2 anos).

SINDICATOS SÓ ACEITARIAM TEMPORARIAMENTE ESTAS PROPOSTAS COM A CONDIÇÃO DE PUBLICAÇÃO DO AE/CTT COM MAIS 24 MESES DE VIGÊNCIA
No entanto os Sindicatos, num esforço de chegar a um entendimento, ainda propuseram que o AE fosse publicado com uma vigência de 18 meses, alargando de igual modo o período a aplicação temporária quer do cartão de refeição quer do pagamento com retroativos das promoções e diuturnidades. A Empresa não aceitou e por isso não foi possível chegar a acordo.

COMO É EVIDENTE OS SINDICATOS NÃO ESTÃO DISPONÍVEIS PARA ABDICAR DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES nem que seja temporariamente sem que haja garantia da manutenção dos mesmos e até o seu alargamento. Neste contexto, NÃO É POSSÍVEL CHEGAR A ACORDO NESTAS MATÉRIAS. Continuamos dispostos para analisar medidas pontuais MAS SEMPRE NO QUADRO DO RESPEITO DO ACORDO DE EMPRESA DOS CTT.

Lisboa, 22 de Abril de 2020

SNTCT- SINDETELCO – SITIC – SINCOR – SINQUADROS – SINTTAV – SICOMP – FENTCOP – SERS – SNET

GUIA CGTP-IN – COMO COMBATER COM DIREITOS O COVID-19

SIM, É POSSIVEL COMBATER, COM DIREITOS, O COVID-19.

A CGTP-IN elaborou um guia que, com toda a clareza, informa os trabalhadores sobre como combater, com direitos e sem prescindirem deles, o COVID-19.

Clica no link abaixo para abrires o guia na versão PDF

» » »  GuiaCOVID19

 

UMA PÁSCOA O MELHOR POSSÍVEL PARA TODOS, MENOS PARA OS VAMPIROS DESTE PAÍS E DESTE MUNDO.

Estamos na Páscoa.

Independentemente das crenças de cada um(a) esta é habitualmente uma época de reencontro, de partilha, de amizade, de amor, do aconchego familiar.

Assim seria não nos tivesse trazido este Ano de 2020 uma Páscoa atípica e repleta de tristezas, medos, desconforto, solidão, dor, saudade, perdas e até algum desnorteio.

Nos hospitais e nas ruas, muitos em esforço quase sobre-humano, temos os Homens e as Mulheres das diversas áreas ligadas à saúde, à protecção e segurança da vida humana.

Médicos, Enfermeiros, Paramédicos, Auxiliares de Enfermagem, Auxiliares de Acção Médica, Bombeiros, Polícia e GNR, tudo fazem para salvarem e proteger aqueles que, por via do COVID-19 ou de qualquer outra circunstância, deles necessitam.

Além deles estão ainda os outros profissionais que, tal como eles, têm que continuar de pé mesmo que o Mundo fique de “pernas para o ar”; os trabalhadores dos outros Serviços Públicos Essenciais.

É assim que, entre tantos outros, estão os trabalhadores dos transportes, das comunicações, do sector alimentar, energia, águas e saneamento … e tantos outros que todos sabemos estarem a expor-se, na situação presente, a um risco superior de contágio e até de perderem a própria vida para servirem, para ajudarem, para alimentarem, para salvarem.

Entre eles permitam-nos destacar os Homens e as Mulheres das Comunicações, todas e todos que trabalham nos Correios, Telecomunicações e Actividades afins, o nosso sector de actividade.

Entre eles uma referência e uma saudação muito especial aos Carteiros e aos Distribuidores, aos trabalhadores das Estações de Correio, aos Trabalhadores do Tratamento e Transporte de Correio e Logística Postal, aos técnicos de manutenção e reparação de avarias e dos balcões e call centers dos operadores de Telecomunicações… todos eles a trabalharem para assegurarem o direito à comunicação deste Povo e ao seu contacto com o resto do Planeta.

Mas, além de todos estes Homens e Mulheres que até aqui temos referido e aos quais temos que agradecer serem o suporte da manutenção e da qualidade das nossas vidas, existem ainda todas as Trabalhadoras e todos os Trabalhadores de todos os outros Sectores de Actividade, aqueles não considerados como Serviços Públicos Essenciais.

Falamos aqui de Trabalhadoras e de Trabalhadores, dos Serviços Públicos Essenciais ou não, que, para sobreviverem e alimentarem as suas famílias têm que vender a força do seu trabalho braçal ou intelectual, aqueles que exercendo uma miríade de actividades, são o “sal” da vida deste País.

NÃO PODEMOS, COMO É ÓBVIO, DEIXARMOS DE AQUI REFERIR OS MILHARES DE TRABALHADORAS E DE TRABALHADORES QUE, NAS ÚLTIMAS TRÊS SEMANAS, TÊM VISTO O SEU SALÁRIO REDUZIDO A 2/3 OU, PIOR, TÊM VINDO A SER DESCARTADOS, LEIA-SE IGNOBILMENTE DESPEDIDOS.

DESPEDIDOS POR AQUELES QUE, ACUMULANDO RIQUEZA À CUSTA DO SEU SUOR, À CUSTA DOS SALÁRIOS MISERÁVEIS QUE LHES PAGAM E COM A CONIVÊNCIA E AMÉM DO PODER POLÍTICO INSTITUÍDO – EM BELÉM E EM SÃO BENTO – SÃO OS VAMPIROS DE QUEM ZECA AFONSO DIZIA CANTANDO, “ELES COMEM TUDO … E NÃO DEIXAM NADA…”.

A todas as Trabalhadoras e a todos os Trabalhadores Portugueses, uma Páscoa o melhor possível.

A todas as Trabalhadoras e a todos os Trabalhadores Portugueses descartados pelos vampiros, pelo capital sem rosto e todo o tipo de idênticos escroques.

Para essas Trabalhadoras e para esses Trabalhadores que hoje não sabem como colocar amanhã, na mesa lá de casa, a comida para os seus filhos, a nossa total e incondicional solidariedade.

Aos vampiros só podemos desejar que vão arder, lá bem no quinto dos infernos, conjuntamente com o dinheiro que sugaram aos seus Trabalhadores e às suas Trabalhadoras.

Aos vampiros, uma última nota… aqui vos deixamos a certeza de que, tal como o “Coelhinho da Páscoa”, as nossas “pilhas” nao se esgotam e, acreditem, não vos daremos tréguas na nossa luta.

SNTCT – A força de continuarmos juntos!

A Direcção Nacional do SNTCT

 

Comunicado SNTCT Correios 4-2020

POSIÇÃO DO SNTCT
SOBRE A ESTRATÉGIA DE CONTINGÊNCIA OPERACIONAL CTT NA DISTRIBUIÇÃO

SNTCT – A força de continuarmos juntos!

Para todos nós, nos diversos níveis da estrutura do SNTCT, além de um lema é também um princípio, uma forma de estar, faz parte da nossa génese.

Abra aqui a versão PDF deste comunicado »»» 2020-04 CTT CORREIOS
Apesar da muita informação avulsa que temos vindo a produzir (que foi publicada quer em www.sntct.pt quer nas redes sociais) este é o primeiro comunicado estruturado depois do início da crise originada pelo vírus COVID-19.

Referimos isto para afirmarmos uma realidade indesmentível: O SNTCT e os seus Dirigentes não assistiram de bancada ao que se tem vindo a passar. Não abandonámos os trabalhadores à sua sorte, quer os nossos associados quer não. Estivemos presentes nos locais de trabalho onde surgiram focos de infecção, demos apoio apoio, exigimos medidas concretas de salvaguarda da vida e dos direitos dos trabalhadores, por parte da empresa, das entidades de saúde e do Governo.

Para o SNTCT a defesa da saúde e direitos de todos os trabalhadores dos CTT é urgente e fundamental. Foi por isso que exigimos da Empresa medidas de salvaguarda dos trabalhadores face ao risco de infecção, muitas das quais agora estão a ser postas em práctica, infelizmente tarde.

Por isso, aqui afirmamos, sem qualquer dúvida, que posições de afirmação pessoal, boatos e afins, não ajudam os trabalhadores e, por isso, o SNTCT, além de ter tido e continuar a ter os seus Dirigentes onde fazem falta, no terreno, apenas denuncia factos concretos e dá opinião sobre questões concretas e informações antes confirmadas, para o bem e para o mal, junto da Empresa.

Assim, sobre a ESTRATÉGIA DE CONTINGÊNCIA OPERACIONAL NOS CTT PARA A DISTRIBUIÇÃO temos a constatar e afirmar o seguinte:

1. Alguns boatos e informações postas a circular não estavam correctas e criaram confusão nos trabalhadores, o que é mau, contraproducente e não resolve nada;

2. Este plano de contingência resulta em grande medida dos alertas e exigências feitas pelo SNTCT com base no conhecimento obtido nos locais de trabalho;

3. Na sequência do compromisso assumido pelos CTT de informar o SNTCT sobre as medidas que estão a ser tomadas, recebemos ontem cerca da meia-noite a informação que tínhamos pedido aos CTT sobre esta matéria que, no essencial, se resume a (do texto dos CTT estando em negrito e entre aspas o que consideramos mais importante):

• Reduzir o tempo de exposição médio da equipa, nomeadamente reduzindo a proximidade entre elementos do mesmo CDP;
• Criar em cada centro, equipas afastadas do serviço, podendo ser chamadas em caso de contágio ou “quarentena da equipa (25 a 50% da equipa, dependendo do CDP)”.
• Suspensão do modelo de distribuição segmentada;
“Criação de equipas que alternem atividade e afastamento do serviço, segundo rotação quinzenal;”
• Alternância das rotas de distribuição / “giros” efetuados em cada dia de acordo com a evolução do serviço;
• O colaborador ou a equipa afastados do serviço “pode ser chamado para voltar ao trabalho, tendo em conta a evolução da atividade / tráfego” e as contingências de ausência dos colaboradores ou equipas que estiverem ao serviço;
“A comunicação de retoma do serviço deve ser efetuada no dia anterior à necessidade em que tal se verifica, devendo o colaborador prestar trabalho no respetivo horário de trabalho”.
• Até novas orientações superiores de caráter geral aplicáveis a toda a Empresa, e como decisão de caráter totalmente excecional, os colaboradores afastados do serviço “mantêm as condições atuais, ou seja, remuneração que receberia se estivesse em serviço efetivo”.
• Em relação às prestações que assumem uma natureza de compensação de despesa, como é o caso de “subsídio de transporte próprio, considera-se não ser de pagar dado que não incorre na respetiva despesa”.

Em relação a estas medidas, o SNTCT considerando-as globalmente positivas, tem, no entanto, algumas divergências e dúvidas/sugestões.

Divergências do SNTCT:
Sendo necessário uma organização própria para cada local de acordo com a sua especificidade, quer qualitativamente quer quantitativamente, não concordamos que a mesma fique apenas ao critério da gestão local do CDP, uma vez que não é hábito serem tomadas decisões desta natureza com o contributo dos trabalhadores.

Dúvidas/sugestões do SNTCT:
• Em relação ao subsídio de transporte próprio O SNTCT considera que no caso de haver empréstimos para aquisição de viaturas esse pagamento deve ser proporcional aos dias trabalhados ou suspenso.
• O documento não refere nada relactivamente ao reforço e melhoramento da limpeza regular nem a necessidade de desinfecção de locais de trabalho e viaturas.
• Estas medidas devem ser adoptadas pelo período estritamente necessário e adequado, voltando depois à normal organização do serviço.

É urgente que, depois dos ajustamentos já feitos no Atendimento e agora na Distribuição, os CTT adoptem também um plano de contingência para o Tratamento e para os Transportes Postais.

Só uma última questão, um aviso à navegação…
O ESTADO DE EMERGÊNCIA NÃO PODE, NEM DEVE, SER USADO PARA ATACAR OS TRABALHADORES E OS SEUS DIREITOS E, TAMBÉM AS ESTRUTURAS SINDICAIS!

SNTCT – A força de continuarmos juntos!
www.sntct.pt ou www.facebook.com/sntct

ORIENTAÇÕES DO SNTCT SOBRE O PAGAMENTOS DE VALES AO DOMICÍLIO

ORIENTAÇÕES DO SNTCT SOBRE O PAGAMENTOS DE VALES AO DOMICÍLIO

Abra aqui o documento em formato PDF se quiser imprimi-lo: ORIENTAÇÕES DO SNTCT SOBRE O PAGAMENTOS DE VALES AO DOMICÍLIO

1. Nenhum Carteiro deve abrir os envelopes dos vales que for decidido serem pagos ao domicílio. Tal deve ser feito ou na EC, ou pelo GCDP ou alguém que a Empresa indique para o fazer – mas nunca o Carteiro;

2. O Carteiro só deve levar para a rua os vales e respectivo dinheiro se:

1. Se lhe forem dados 2 envelopes:

  • Um envelope contendo o vale (com o nome e morada do destinatário visível;
  • Um envelope, fechado com fita-cola, com marca do dia da EC e assinado por duas pessoas que tenham nele inserido o dinheiro certo do vale,

3. No acto da entrega/pagamento o Carteiro deve, MUNIDO DE MÁSCARA, LUVAS E COM GEL PARA SE DESINFECTAR:

1. SE O DESTINATÁRIO SABE ASSINAR:

           1. O Carteiro dá o vale ao destinatário que o deve assinar, procedendo o Carteiro à identificação da forma habitual, através do BI/CC, e escrevendo o Carteiro no local da identificação o número do documento, e data de validade;

           2. O Carteiro já em posse do vale assinado e com a identificação feita, dá o envelope com o dinheiro ao destinatário que deve conferi-lo perante o Carteiro.

2. SE O DESTINATÁRIO NÃO SABE ASSINAR:

          1. O Carteiro escreve no vale, na zona da identificação, o nome completo do destinatário, nº e tipo de documento de identificação (BI ou CC), a data de nascimento e a nacionalidade do destinatário, com a indicação de que o destinatário não pode (sabe) assinar;

          2. O Carteiro em posse do vale com a identificação feita de acordo com o descrito acima, dá o envelope com o dinheiro ao destinatário que deve conferi-lo perante o Carteiro.

 

4. Se o destinatário não estiver em casa, ou o destinatário não quiser receber o dinheiro, o Carteiro deixa o vale na caixa do correio e traz de volta ao CDP o envelope com o dinheiro.

 

5. Para uma questão de salvaguarda da responsabilidade de cada trabalhador, NO CASO DE NÃO PAGAMENTO DO VALE, O SNTCT ACONSELHA A TODOS OS CARTEIROS QUE DEVEM ENTREGAR O ENVELOPE COM O DINHEIRO AO GCDP PEDINDO RECIBO DA DEVOLUÇÃO DO MESMO.

6. Os pedidos normais de Pagamento de Vales ao Domicílio seguem os trâmites normais incluindo a cobrança da Taxa de Pagamento ao Domicílio;

7. Se as orientações forem diversas destas o Carteiro deve pedir ordem expressa por escrito nos termos da Cláusula 19ª do AE-CTT.

 

Lisboa, 1 de Abril de 2020
A Direcção Nacional do SNTCT

 

SNTCT – SINDICATO NACIONAL DOS TRABALHADORES DOS CORREIOS E TELECOMUNICAÇÕES
Alameda D. Afonso Henriques, 41-r/c – 1000-123 LISBOA

Telefone: 21 842 89 00 – Email: sntct@sntct.pt

QUANTOS TRABALHADORES CTT TÊM DE MORRER ANTES DE DECIDIREM FAZER ALGO?

BASTA . ALGUÉM TEM QUE PÔR UM TRAVÃO NISTO.

Perante a inação de quem tem obrigação de proteger quem trabalha e de definir regras neste País perante o COVID-19, aqui está cópia do email hoje enviado:

“Ao Ministério da Saúde
À Direcção Geral de Saúde
Ao Ministério das Infraestruturas e Habitação

C/ conhecimento à Comunicação Social

CTT – CORREIOS
AFINAL OS TRABALHADORES DOS CTT SÃO HERÓIS, OU “CARNE PARA CANHÃO”?

É PRECISO MORRER PRIMEIRO ALGUM TRABALHADORE DOS CTT PARA QUE DEPOIS SE TOMEM MEDIDAS?

ESTÁ TUDO DOIDO?

QUANDO O PERIGO DE CONTÁGIO PELO COVID-19 ESTÁ MAIS ELEVADO, NINGUÉM QUER SABER? OS LUCROS E A VENDAS SOBREPÕEM-SE AO VALOR DE VIDAS COLOCADAS EM RISCO?

ONDE ESTÁ A DGS?

ONDE ESTÁ A AUTORIDADE DE SAÚDE, ONDE ESTÃO OS DELEGADOS DE SAÚDE?

Edifício CTT Prior Velho (CTT Correios, CTT Expresso e CTT Contacto)
3 trabalhadores infectados declarados – a Linha Saúde 24 manda os restantes trabalhadores continuarem a trabalhar e aguardarem instruções do Delegado de Saúde (qual não se sabe.) e os CTT… exigem a sua continuidade no trabalho como se nada acontecesse.

Centro de Distribuição Postal de Gondomar
1 trabalhador infectado declarado, 1 à espera de resultado do teste e outros trabalhadores com sintomas – a Linha Saúde 24 manda os restantes trabalhadores continuarem a trabalhar e aguardarem instruções do Delegado de Saúde (qual não se sabe) e os CTT… exigem a sua continuidade no trabalho como se nada acontecesse.

BASTA!

E SE OS TRABALHADORES JÁ DECLARADOS COMO INFECTADOS INFECTARAM OS COLEGAS, A QUEM É NEGADA A QUARENTENA E QUE ALÉM DE JÁ PODEREM TER INFECTADO AS RESPECTIVAS FAMÍLIAS, AO ESTAREM OBRIGADOS A ANDAREM NA DISTRIBUIÇÃO, PODEM ESTAR A INFECTAR AQUELES COM QUEM SE CRUZAM NA ENTREGA DOS ENVIOS?

Se o pior acontecer quem vai ser responsável?

Ficando a aguarda que com a urgência devida, seja dada uma resposta concreta, que se impõe e que tem que ser dada por Vexa.s aos Trabalhadores CTT e a este Sindicato em nome dos que nela representa,
Cumprimentos,

A Direcção Nacional do SNTCT

Victor Narciso
Secretário Geral

Em anexo: Chamadas de atenção diversas sobre situação nos CTT e riscos para os seus trabalhadores

***********************************************************************
Direcção Nacional do SNTCT
***********************************************************************
SNTCT – SINDICATO NACIONAL DOS TRABALHADORES DOS CORREIOS E TELECOMUNICAÇÕES
(NATIONAL UNION OF POSTS AND TELECOMUNICATIONS WORKERS – SNTCT)
Alameda D. Afonso Henriques, 41-r/c
1000-123 LISBOA
PORTUGAL

Phone: (+351) 21 842 89 00
Mobile: (+351) 96 401 17 76
Fax: (+351) 21 947 68 28
Email: sntct@sntct.pt
***********************************************************************

CTT – NÃO TRABALHAR SEM MEIOS DE PROTECÇÃO

Porque até esta hora continuamos a aguardar que a gestão dos CTT nos diga quais as suas intenções quanto à aplicação da Resolução de Conselho de Ministros, decorrente da declaração do Estado de Emergência, o SNTCT informa seguinte:

OS SERVIÇOS POSTAIS SÃO UM SERVIÇO MPÚBLICO ESSENCIAL, TAMBÉM DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE MINISTROS, OS TRABALHADORES CTT VÃO TER DE TRABALHAR.


TEMOS QUE TRABALHAR MAS, DESDE OS HORÁRIOS ATÉ AOS SERVIÇOS A ASSEGURAR, O SNTCT NECESSITA SABER O QUE PRETENDE A GESTÃO DOS CTT. UMA CERTEZA TEMOS NESTE MOMENTO:

 

Nenhum trabalhador deve trabalhar sem que estejam asseguradas as medidas de proteção da sua saúde e, logo, daqueles para quem trabalham, os portugueses. assim:

1 – NENHUM TRABALHADOR CTT DEVE IR PARA A DSITRIBUIÇÃO, PARA O BALCÃO, TRATAR CORREIO NOS CPL’S, CONDUZIR VIATURAS DE SERVIÇO OU EXECUTAR QUALQUER OUTRA FUNÇÃO OU SERVIÇO DA EMPRESA SEM OS NECESSÁRIOS MEIOS DE PROTECÇÃO CONTRA A INFECÇÃO PELO VÍRUS COVID-19.

2 – Caso não estejam disponibilizados tais meios (que incluem desinfectante, luvas, máscaras, limpeza de instalações e definição de espaços mínimos entre trabalhadores), deverão pedir a intervenção do Delegado de Saúde e Delegação da ACT mais próximos, utilizando para o efeito a minuta abaixo (o texto é o mesmo para ambas as entidades), de preferência assinada por todos os trabalhadores que o entendam fazer.

___________________________________

 

PARA O DFELEGADO DE SAÚDE
Exmº/a Sr/a Delegado/a de Saúde de _______________

 

Assunto: COVID 19 – Condições de Trabalho no estabelecimentos dos CTT de ( _____INDICAR SERVIÇO______ ) sito em ( _______MORADA DO LOCAL DE TRABALHO_______ )

 

Exmºs Srs
O Delegado Sindical e/ou associados do SNTCT – Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações vêm solicitar a intervenção urgente no local de trabalho em referência, com vista a avaliar do cumprimento das regras impostas pela DGS quanto às condições mínimas para proteção contra a transmissão do Coronavirus 19.
Efetivamente, os trabalhadores estão a manifestar grande preocupação com as condições de trabalho existentes neste local, aquando da realização das suas tarefas de distribuição/atendimento/outras que implicam contacto regular e sistemático com utentes. E isto sem que lhes tenham sido distribuídos equipamentos de protecção individual suficientes e adequados ( ex. luvas, máscaras , gel desinfetante, etc) e / ou sem que tenham sido tomadas as necessárias medidas limpeza/desinfecção e de separação física dos trabalhadores entre si e com os clientes.
Com os melhores cumprimentos,
Os abaixo-assinados
(assinaturas)

___________________________________

PARA A DELEGAÇÃO DA ACT
Exmº/a Sr/a Delegado/a do Centro Local de _________ da ACT

 

Assunto: COVID 19 – Condições de Trabalho no estabelecimentos dos CTT de ( _____INDICAR SERVIÇO______ ) sito em ( _______MORADA DO LOCAL DE TRABALHO_______ )

 

Exmºs Srs
O Delegado Sindical e/ou associados do SNTCT – Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações vêm solicitar a intervenção urgente no local de trabalho em referência, com vista a avaliar do cumprimento das regras impostas pela DGS quanto às condições mínimas para proteção contra a transmissão do Coronavirus 19.
Efetivamente, os trabalhadores estão a manifestar grande preocupação com as condições de trabalho existentes neste local, aquando da realização das suas tarefas de distribuição/atendimento/outras que implicam contacto regular e sistemático com utentes. E isto sem que lhes tenham sido distribuídos equipamentos de protecção individual suficientes e adequados ( ex. luvas, máscaras , gel desinfetante, etc) e / ou sem que tenham sido tomadas as necessárias medidas limpeza/desinfecção e de separação física dos trabalhadores entre si e com os clientes.
Com os melhores cumprimentos,
Os abaixo-assinados
(assinaturas)

___________________________________

SNTCT – A FORÇA DE CONTINUARMOS JUNTOS!

FIQUE EM CASA?

Só porque o anúncio abaixo, hoje, é insultuoso para os trabalhadores CTT que andam na rua ou estão nos balcões:

SE NÃO FOR TRABALHADOR DOS CTT, FIQUE EM CASA.
PORQUE OS TRABALHADORES DOS CTT AÍ ESTÃO, ORGULHOSOS DA SUA FUNÇÃO ESSENCIAL MAS DESPROTEGIDOS, A PENSAREM NO SEU BEM-ESTAR MAS, AO MESMO TEMPO, A TEMEREM PELA SUA VIDA, DOS SEUS COLEGAS E DAS SUAS FAMÍLIAS.

FIQUE EM CASA porque os Carteiros, muitos a quem não foram dadas luvas, nem máscara, nem gel para se desinfectar… aí estarão à sua porta, de sorriso nos lábios (???) obrigados a colocarem a sua vida em risco, a deles e a sua, para que você possa ficar em casa.

O Carteiro aí estará para lhe entregar medicamentos, fraldas para bebés ou incontinentes, o vale da sua pensão, o vale do seu Rendimento Mínimo, até mesmo comida não perecível que lhe tenha sido enviada., em suma, aquilo que é imprescindível e que pode pôr em risco a sua sobrevivência.

Mas sabe que, os Carteiros, tantos sem meios de protecção, também estão a ser obrigados a arriscar a sua vida para levar-lhe objectos ou produtos que não são de primeira necessidade (alguns puras futilidades como brincos, drônes de brincar, … e sabe-se lá o que mais)?

FIQUE EM CASA MAS, SE TIVER QUE IR A UMA ESTAÇÃO DE CORREIOS, e porventura encontrar a pessoa que o atende sem luvas, sem uma gota de gel para se desinfectar, sem uma máscara para se proteger, não se admire.

Eles(as) ali estão para lhe entregar os medicamentos que pediu, as fraldas para o seu filho ou para o seu pai acamado, pagar-lhe o dinheiro do vale da sua reforma ou do seu subsídio de desemprego, aceitarem o pagamento das suas contas ou para lhe entregarem comida não perecível que lhe tenha sido enviada, em suma, bens e serviços necessários à sua sobrevivência.

Mas sabe que, se a si lhe apetecer, também ali estão, obrigados, para lhe venderem umas canecas ou uns leques ou para lhe entregarem bens que não são necessários para a sua sobrevivência (alguns até fúteis tais como perfumes, cosméticos, raquetes, … e outros que tais)?

VÁ, NÃO SAIA DE CASA, PORQUE O CARTEIRO MESMO SEM MEIOS DE PROTECÇÃO ADEQUADOS, AÍ ESTARÁ À SUA PORTA MESMO QUE SEJA PARA LHE ENTREGAR ALGUMA FUTILIDADE!

VÁ, SE LHE APETECER IR À ESTAÇÃO DE CORREIOS, VÁ QUE MESMO SEM MEIOS DE PROTECÇÃO ADEQUADOS, ALI ESTARÁ ALGUÉM MESMO QUE SEJA PARA LHE VENDER UM LIVRO OU UMA CANECA.

NÃO SAIA DE CASA PORQUE NOS CENTROS DE TRATAMENTO DOS CTT ALGUÉM ESTÁ NESTE MOMENTO A TRATAR AS SUAS CORRESPONDÊNCIAS, AS SUAS ENCOMENDAS, SEM TER LÍQUIDO PARA DESINFECTAR AS MÃOS, UM PAR DE LUVAS OU UMA MÁSCARA QUE SEJA.

VÁ, AVANCE SEM MEDOS, mesmo que – por ordem do Governo ou dos gestores nomeados pelos accionistas dos CTT – os trabalhadores da Empresa, sem os necessários meios de protecção, estejam a ver colocados em risco as suas vidas e as das suas famílias, as dos seus colegas de trabalho, seja para lhe prestarem serviços postais essenciais ou todos os outros que o não são.

VÁ, PORQUE SEJA PARA SERVIÇO POSTAL ESSENCIAL OU NÃO, OS TRABALHADORES DOS CTT SERÃO A “CARNE PARA CANHÃO” À SUA DISPOSIÇÃO!

MEIOS DE PREVENÇÃO DO COVID-19 NOS CTT

MEIOS DE PREVENÇÃO DO COVID-19 NOS CTT
Houve atraso no fornecimento, por parte dos CTT, dos meios de prevenção.
Dissemo-lo, exigimos o seu fornecimento e, porque ainda existem locais onde os mesmos não chegaram, ou chegaram em número insuficiente, listaremos esses locais junto da empresa para que regularize a situação (façam-nos chegar informação se for esse o caso do vosso local de trabalho).

 

AGORA, CAMARADAS E AMIGOS TRABALHADORES DOS CTT,
MUITA ATENÇÃO:
Nos locais onde os meios de prevenção/protecção estão distribuídos, mesmo que não em quantidade suficiente, OS TRABALHADORES A QUEM FOREM DISTRIBUÍDOS, DEVEM USÁ-LOS SEGUNDO AS INDICAÇÕES QUE FORAM EMANADAS PELAS ENTIDADES COMPETENTES, de forma a salvaguardarem a sua saúde, a dos seus familiares e, também de todos os Portugueses.

 

AGORA, GESTÃO DOS CTT,
TAMBÉM MUITA ATENÇÃO:
Ainda falta distribuir muito material de prevenção/protecção em muitos locais de trabalho, elo que iremos comunicar-vos aqueles que são do nosso conhecimento mas, falta também algo que é primordial neste momento; TAMBÉM PARA CONTENÇÃO DA PROPAGAÇÃO DO VÍRUS, A DESINFECÇÃO E PRINCIPALMENTE A LIMPEZA APURADA DOS LOCAIS DE TRABALHO, É FUNDAMENTAL.

 

Lisboa, 16 de Março de 2020

A Direcção Nacional do SNTCT

 

DIRECÇÃO NACIONAL DO SNTCT SUSPENDE A PARTIR DE AMANHÃ,
DIA 16 DE MARÇO DE 2020
TODAS AS ACTIVIDADES ANTERIORMENTE PROGRAMADAS
NAS EMPRESAS / LOCAIS DE TRABALHO

MAS ATENÇÃO:
OS DIRIGENTES DO SNTCT ESTARÃO EM TODOS OS LOCAIS DE TRABALHO
ONDE OS TRABALHADORES OS CHAMAREM E/OU A SUA PRESENÇA SE JUSTIFIQUE

 

A partir das 07H00 da manhã
estaremos na Sede e procuraremos dar resposta/ajuda a todas as questões que se nos colocarem, o telefone recordamos é:
21 842 89 00.

Durante o resto do dia
Através de todos os telefones do SNTCT
ou através dos
Telemóveis dos Dirigentes do SNTCT
ou, em alternativa,
email: sntct@sntct.pt


Lisboa, Sede do SNTCT, 20/03/2020
A Direcção Nacional do SNTCT

1 2 3 4 5 10