COMUNICADO COMJUNTO ALTICE 19 SETEMBRO 2022

INÍCIO DA CARAVANA EM DEFESA DOS PLANOS DE SAÚDE E DOS SALÁRIOS!

 

Os Sindicatos da Frente Sindical, decidiram voltar a percorrer o país para realizar plenários em todos os maiores locais de trabalho do continente e ilhas.

Abre aqui este comunicado em PDF » » » Comunicado Frente Sindical_19- 9 – 2022 – Aumento intercalar dos salários e ACS

Decidimos que estes plenários se realizam, regra geral à porta dos edifícios, para os beneficiários que não estão no activo poderem participar. 

O objectivo é continuar o debate e o esclarecimento e mobilização sobre dois temas, Planos de saúde e Aumentos salariais intercalares.

Planos de saúde

Relativamente aos Planos de Saúde o objectivo da Adm. da Altice é dar uma tremenda machada nos Planos de Saúde com as pretensas e brutais alterações, com as consequências daí resultantes para os Beneficiários.

TALVEZ OS BENEFICIÁRIOS PENSASSEM QUE A ADM. DA ALTICE NÃO FOSSE CAPAZ DE IR TÃO LONGE NO ATAQUE AOS 3 PLANOS DE SAÚDE, MAS O RESULTADO ESTÁ A VISTA.

Por um lado, é uma desumanidade sem limites, embora já estejamos habituados, porque tem sido a prática desde sempre.

A situação económica da empresa está de boa saúde e tem sempre aumentado as receitas, mas a resposta aí está, e agora com dados concretos que não deixam dúvidas da situação que os sindicatos da Frente sindical informaram e esclareceram nos plenários feitos anteriormente.

Nunca os trabalhadores melhoraram as suas condições de trabalho e defenderam os seus direitos, sem se mobilizarem e intervindo!

Aumentos salariais intercalares

Os sindicatos da “Frente Sindical” apresentaram no dia 3 de Julho à administração da ALTICE uma proposta nesse sentido, traduzida no seguinte:

  1. Aumento intercalar de 50€ em cada salário base, com efeitos a 01.07.2022;
  2. Salário mínimo praticado no Grupo com o valor de 835€, com efeitos a 01.07.2022.

A resposta da empresa foi negativa, informando que não iam rever os salários nesta altura.

Na reunião do passado dia 25 de Julho com a CEO, esta afirmou que o assunto estava a ser estudado.

NO DIA 2.9.2022, A FRENTE SINDICAL VOLTOU A QUESTIONAR A CEO, SE JÁ TINHAM CONCLUÍDO O ESTUDO E TRANSMITINDO QUE ESPERÁVAMOS QUE A CONCLUSÃO FOSSE NO SENTIDO DA APLICAÇÃO DOS AUMENTOS PROPOSTOS.

A resposta chegou no dia 8 de Setembro a qual transcrevemos.

À

Frente Sindical

SINTTAV/SNTCT/STT/FE/SINQUADROS

Sua referência           Sua comunicação               Nº referência             Data

02/09/2022                                                            08/ 09/ 2022

 

Assunto: Resposta à proposta de aumentos salariais intercalares

 

Exmos. Senhores,

Em resposta à proposta de aumentos salariais intercalares que essa Frente Sindical dirigiu à CEO, Dra. Ana Figueiredo, cumpre à Direcção de Recursos Humanos informar que o Comex tem vindo a acompanhar atentamente os impactos da inflação ao nível dos diversos stackholders da Altice.

No que respeita especificamente aos trabalhadores, o acompanhamento é realizado através de análises comparativas com o mercado, por forma a que se possa actuar nas situações de maior criticidade. Nesse sentido, temos vindo a proceder a diversas revisões salariais, as quais terão impacto, sobretudo, no 4o trimestre, não estando, de momento, previstas actualizações salariais generalizadas.

Os melhores cumprimentos,

Direcção de Recursos

Nota. A resposta e atitude da Adm. da Altice, revela mais uma vez a sua total aversão à procura de soluções através do diálogo social, o único caminho que conhece é o do “posso, quero e mando, como se Portugal fosse uma “República de bananas”, sem leis, como aquela de onde a CEO regressou, mas engana-se que cá a situação é diferente.

Além do mais, esta resposta configura uma discriminação de trabalhadores, que irá ter naturalmente a sua resposta adequada e no lugar certo.

Será que para a Adm. a inflação não abrange todos os trabalhadores da mesma maneira?

 

PARA A FRENTE SINDICAL ESTÁ MUITO CLARO QUE AS NOSSAS REINVIDICAÇÕES, POR MAIS JUSTAS QUE SEJAM, NÃO SE ALCANÇAM SEM RESPOSTA E INTERVENÇÃO DOS TRABALHADORES/BENEFICIARIOS

 A LUTA NÃO É SÓ FEITA PELOS DIRIGENTES SINDICAIS

A LUTA SÓ FAZ SENTIDO E PODE TER RESULTADOS, SE TIVER A ADESÃO DOS TRABALHADORES

A LUTA CONTINUA NA ALTICE E NA RUA!

                                                                                                                     

19 de Setembro 2022

 

COMUNICADO CONJUNTO INTELCIA 16/09/2022

INTELCIA

NFORMAÇÃO SINTTAV-SNTCT, AOS TRABALHADORES DA INTELCIA

CONCILIAÇÃO SOBRE CONTRATAÇÃO COLECTIVA SUSPENSA

Abre aqui o comunicado em PDF » » » CONUNTO INTELCIA
Como é do conhecimento geral, os dois sindicatos signatários há muito que lutam para que os trabalhadores da Intelcia sejam abrangidos por uma Convenção Colectiva de Trabalho.
Com esse objectivo, em 2021, durante o processo negocial do Acordo Colectivo de Trabalho da Altice, tudo fizeram para que este fosse também extensivo aos trabalhadores da Intelcia, o que era mais que justo, na medida em que 65% do Capital desta empresa é da Altice.
Porém, ambas as empresas recusaram essa possibilidade, pelo que o SINTTAV-SNTCT decidiram entregar no dia 11 de Fevereiro passado, uma proposta de AE (Acordo de Empresa) à Intelcia, na expectativa que esta se dispusesse a negociar com seriedade.
Mas como a Gestão da Intelcia deve estar subordinada aos padrões de diálogo social praticados pela Altice (que são padrões anti-diálogo social), a atitude que assumiu, que já foi tornada pública, foi de completa recusa negocial.
CONCILIAÇÃO. Face à recusa negocial da Intelcia sem fundamento, dizendo apenas “que não tem interesse na negociação”, os dois sindicatos tiveram que recorrer à Conciliação.
O QUE É A CONCILIAÇÃO? A Conciliação é ainda um processo negocial, no qual, também participa o Ministério do Trabalho através da DGERT (Direcção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho).
A reunião de Conciliação decorreu no passado dia 14 nas instalações do Ministério do Trabalho, na qual participou a DGERT, Intelcia, SINTTAV e SNTCT.
RESULTADO.
Os sindicatos mostraram bem à evidência a importância, para todas as partes envolvidas, resultantes da negociação de um AE, mas falar em justiça laboral para a Gestão da Intelcia, é como “pregar aos peixes”, porque aquela gente já está formatada para só “dizer não, porque não”.
O argumento de que um AE ia deixar a Intelcia em desvantagem com a concorrência, é um argumento sem fundamento e desprovido de qualquer sentido de Justiça Social.
CONCILIAÇÃO SUSPENSA ATÉ NOVEMBRO. Ao fim de hora e meia de discussão como sendo “chover no molhado”, como a Intelcia não saía do que a sua representação levava formatado para dizer, a Conciliadora suspendeu o processo até Novembro, para ver se até lá “aquelas mentes” conseguem perceber a importância de existência de um AE.
O QUE É A CONTRATAÇÃO COLECTIVA? É um processo que vendo acordo entre as partes, se traduz, no caso da Intelcia num AE (Acordo de Empresa) que em linhas gerais, entre muitos outros aspectos:
 Consagra direitos e deveres de todos, Chefias e Trabalhadores chefiados.
 Harmoniza direitos.
 Regula e consagra os salários (na Intelcia estes rondam o SMN).
 Define uma estrutura de carreiras com níveis salariais e critérios de promoção entre estes.
 Define os diversos subsídios/abonos, seus valores e regras de aplicação.
 Determina horários, férias e folgas.
É bem conhecida a prática de “regabofe” praticada na Intelcia, com:
 Valores de subsídio de alimentação diferentes.
 Uns trabalhadores a receberem subsídio de línguas e outros não, embora uma representante da empresa afirmasse que todos dissesse recebiam, parece que a informação interna não circula bem.
 Em termos de horários, férias, folgas, pagamento de trabalho suplementar e muitos outras situações que se passam na empresa, que através do Acordo tem que ser regulamentadas e uniformizadas.
NOTA FINAL. Os Sindicatos deixaram um aviso muito sério à Intelcia, dizendo que “quer queiram ou não na Empresa vai ter que existir um AE”.
Se não for através do diálogo, como preferimos, será através da Luta. Não pode haver dúvidas.
TRABALHADOR DA INTELCIA
REFORÇA OS SINDICATOS QUE TE DEFENDEM.
SINDICALIZA-TE.
SINTTAV – Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisual
Av. Miguel Bombarda, nº 50 – 3º e 4º; 1050-166 Lisboa
Telef. 217 613 130 – Fax 217 613 139 – Tlm. 965 336 491 – E-mail: geral@sinttav.pt
SNTCT – Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações
Alameda D. Afonso Henriques, 41 r/c – 1000-123 LISBOA
Tf: 218428900 – Fax: 218476828 – Email: sntct@sntct.pt

COMUNICADO CONJUNTO ALTICE – 13_09_2022

ALTICE COMUNICA AS ALTERAÇÕES QUE PRETENDE IMPOR AOS PLANOS DE SAÚDE

ASSIM NÃO, SENHORES DONOS DA ALTICE!

 

Abre aqui o comunicado em PDF: Comunicado Frente Sindical_20220912

 

Transmitir más notícias em período de férias é uma marca já conhecida da gestão Altice, pois foi no Verão de 2017 que avançou com a Transmissão de Estabelecimento de 155 trabalhadores, foi no Verão de 2021 que avançou com o despedimento Colectivo de 203 trabalhadores (número final) e que pretende apanhar os trabalhadores e suas ERCT ausentes.

Agora em 2022, a Altice aproveitando a época de férias por excelência (Agosto), enviou uma comunicação aos beneficiários dos Planos de Saúde (Clássico, Corporativo Tipo I e Tipo II) a comunicar as malfeitorias que pretende impor a partir de Janeiro de 2023 nos mesmos.

Mais uma vez, usando os argumentos falaciosos da sustentabilidade e do aumento dos custos incomportáveis na saúde, mas todos sabemos que a Altice o que pretende é transferir responsabilidades e custos da empresa para os beneficiários.

POR NECESSIDADE (SERVIÇO DA DÍVIDA DEVIDO AO AUMENTO DAS TAXAS DE JURO) OU POR OPORTUNIDADE (VALORIZAÇÃO DA EMPRESA À CUSTA DA VENDA DE PATRIMÓNIO, DE FATIAS DO NEGÓCIO E DA REDUÇÃO DAS RESPONSABILIDADES FUTURAS) PREPARAR A ALTICE PARA A VENDA É VERDADEIRO OBJECTIVO DOS DONOS E ESTAS ALTERAÇÕES AOS PLANOS DE SAÚDE FAZEM PARTE DESSA ESTRATÉGIA. TUDO O RESTO É CONVERSA FIADA!

Este ataque só tem o objectivo de aumentar de forma exponencial o valor da empresa numa futura venda ou melhorar o quadro financeiro numa renegociação da dívida da Altice (dívida monstruosa que passa dos 50.000 milhões de euros se considerarmos a Altice USA), mesmo que para isso destrua a vida de muitos trabalhadores e ex-trabalhadores desta casa.

Porque os donos da Altice e a gestão que implementa através das decisões a estratégia por eles definidas estão-se nas tintas com os malefícios das suas decisões, nomeadamente querem acabar com a componente solidária nos Planos de Saúde (quanto mais se ganha mais se paga de quota e quanto mais doente se é mais cuidados de saúde se tem), os trabalhadores têm de tomar nas suas mãos a defesa dos seus direitos e agir em conjunto com os Sindicatos da Frente Sindical na defesa dos Planos de Saúde e na exigência da valorização dos salários (a exigência de aumentos intercalares num ano em que a inflação está em 9%, dados do INE a 31 de Agosto, continua a ser uma prioridade para os Sindicatos da Frente Sindical).

SINDICATOS DA FRENTE SINDICAL TÊM OS SEUS ADVOGADOS A TRABALHAR NA VERTENTE JURÍDICA

Esta Luta de “emergência social” será travada na Empresa, na Rua e nos Tribunais (caso as alterações unilaterais avancem, iremos também demonstrar que as mesmas não podem ser implementadas sem o acordo das ERCT e dos beneficiários).

A Frente Sindical que está a organizar a defesa dos beneficiários dos Planos de Saúde (activos e não activos e de todos os familiares inscritos), através da mobilização e da denúncia pública, não descorou a vertente jurídica e já trabalha em futuras ações contra as alterações unilateralmente anunciadas, caso a Luta de massas não obrigue a Altice a recuar.

BENEFICIÁRIO, QUANDO TE PEDIREM DOCUMENTAÇÃO PARA VALIDAR AS ALTERAÇÕES QUE A ALTICE PRETENDE DEVES ENVIAR UMA DECLARAÇÃO CONJUNTAMENTE COM OS MESMOS A ASSUMIR OPOSIÇÃO

Sempre que os beneficiários forem confrontados com o pedido de documentos pela Altice ou pela ACS para validar a sua inscrição ou atualizar a situação num contexto das alterações anunciadas, os documentos devem ser acompanhados de declaração a transmitir que o envio da documentação solicitada não implica a concordância do beneficiário às alterações ao seu Plano de Saúde.

Nota importante: Deve ser enviada cópia da declaração para o Sindicato onde está associado.

________________________________________________________________________

 

DECLARAÇÃO

 

Exmos. Senhores,

Nome…., beneficiário do Plano de Saúde… n.º —-, respondendo à comunicação de Vexas. De ……….., venho transmitir o seguinte:

  1. Não dou o meu acordo às alterações introduzidas de forma unilateral pela Empresa no Plano de Saúde, no qual me inscrevi através de ficha de inscrição;
  2. No entanto, e com o único objetivo de evitar maiores prejuízos para os beneficiários-inscritos, envio os elementos/documentos que me foram solicitados para o efeito;
  3. Esta posição não envolve, porém qualquer acordo ou aprovação às referidas alterações, pelo que reservo o direito de poder vir a impugná-las, se for caso disso, inclusive pela via judicial.

Sem outro assunto, subscrevo-me

 

                                                                                Assinatura conforme BI/CC

________________________________________________________________________

 

Sabemos que esta “BATALHA VAI SER DURA”, mas tem de ser travada pois está em causa a defesa dos Planos de Saúde, o futuro da ACS e no limite a vida dos beneficiários.

BENEFICIÁRIO DOS PLANOS DE SAÚDE, TRABALHADOR ACTIVO, SUSPENSO, PRÉ-REFORMADO, REFORMADO/APOSENTADO ESTÁS CONVOCADO PARA OS PLENÁRIOS QUE A FRENTE SINDICAL IRÁ REALIZAR E QUE BREVEMENTE SERÃO CALENDARIZADOS, PARA EXIGIR OS AUMENTOS SALARIAIS E BARRAR O CAMINHO ÀS ALTERAÇÕES DOS PLANOS DE SAÚDE.

A LUTA CONTINUA, NA EMPRESA E NA RUA!

 

COMUNICADO SNTCT TELECOM 2-2022

ALTICE PERSISTE 

EM LEVAR ADIANTE O ATAQUE AOS PLANOS DE SAÚDE DOS SEUS TRABALHADORES A PARTIR DE 1/1/2023

POR ISSO, A LUTA VAI TER DE CONTINUAR!

Abre aqui o comunicado em PDF » » »SNTCT TELECOM 2-2022 9-8-2022

O SNTCT esclareceu e informou, ao longo de dois meses, da vergonhosa proposta da ADM/DRH da Altice tem para os planos de saúde. Informámos sobre as consequências gravosas das intenções desta gestão “oligarca” que tem como propósito único sacar aos Trabalhadores/Beneficiários tudo o que puder para poder encher os bolsos dos accionistas.

As opções que têm vindo a ser assumidas pela gestão não dão a resposta necessária aos problemas dos Trabalhadores e dos Beneficiários.

Afirmaremos, bem alto e as vezes que forem necessárias, que o SNTCT não aceita alterações para pior aos Planos de Saúde e por isso exigimos a manutenção das actuais condições dos mesmos.

Já é tempo da ADM/DRH da Altice perceber que tem que desistir dessa afronta inqualificável aos Trabalhadores e a todos os Beneficiários dos Planos de Saúde, porque só a ganância insaciável dos patrões da Altice justifica essa teimosia e arrogância.

Para quem tinha dúvidas dos propósitos desta gestão ao longo dos últimos sete anos, ficou mais uma vez demostrado que o único objectivo desta gente é transferir custos para os beneficiários.

O ANUNCIADO PROPÓSITO DE ATAQUE

AOS PLANOS DE SAÚDE (ACS) AUMENTA CUSTOS

PARA BENEFICÁRIOS E RETIRA APOIOS E DIREITOS

A empresa já enviou para os Beneficiários as alterações aos respectivos Planos de Saúde e, dizem eles, que é para se manter o plano sustentavel e equilibrado.

Não dizem é que, a verificar-se essa alteração, os encargos para os beneficiários aumentarão substancialmente e os seus direitos serão diminuídos na inversa proporção.

Na questão do fincioamento, a Altice propõe-se agravar o valor das quotas. Propõe-se, por exemplo, colocar os filhos a pagarem 50% sobre os valores da tabela de quotas mensais de beneficiários e familiares.

Nos benefícios, o anunciado ataque da Altice nas compartecipações, plafons anuais, franquia anual e copagamentos é incomportável para os Trabalhadores/Beneficiários.

A Altice propõe-se excluir do plano serviços tais como; Oxigenoterapia e Ventiloterapia, Fraldas e Resguardos, Meias Elásticas e Coletores, tais como Sacos, Algalias, Apósitos, e restantes consumíveis associados, nomeadamente Pensos ou Sondas. A acontecer, os Beneficiarios que necessitem daqueles consumíveis vão ficar sem qualquer apoio e, dessa forma, agravar-se-á a hedionda actuação da Altice em relação aos mais desprotegidos e necessitados. Estes são alguns do exemplos do ataque que a ADM/DRH da Altice pretende desferir contra os Planos de Saúde e assim obrigar os Trabalhadores/Benficiários a suportarem os mesmos.

DA ILUSÃO (DE ALGUNS) NA REUNIÃO DO DIA 25 DE  JULHO Á CRUEL REALIDADE CONSUBSTANCIADA NO ANÚNCIO DE 8 DE AGOSTO DA ADM/DRH – ELES QUEREM É ATACAR/DESTRUIR OS PLANOS DE SAÚDE

Na reunião de 25 de Julho que voltamos a lembrar, a ADM/DRH da Altice declarou que quer “… manter a confiança nas equipas de gestão e que podem tomar medidas menos populares em relação aos trabalhadores, para garantir a sustentabilidade da operação…”.

A CEO da Altice também disse numa intrevista na CNN que: “Em Portugal, é mais fácil executar um despedimento colectivo do que executar o despedimento ou afastamento de um funcionário por falta de produtividade ou de desempenho. Há um conjunto de mecanismos que limitam as empresas do ponto de vista de contratação e até de restruturação.”

Patric Drahi disse “… não gosto de pagar salários e quando tenho que pagar, pago o mínimo possível…”

Para o SNTCT é claro e a vida têm-no provado que não há alternativa à luta, que esta é decisiva para avançar, para aumentar salários e manter os direitos (os Planos de Saúde são um direito) como factores indispensáveis para se garantir um futuro para os trabalhadores do Grupo Altice. É preciso uma política de gestão alternativa, que distribua a riqueza de forma justa, que respeite e valorize o trabalho e os trabalhadores.

O processo de ataque aos Planos de Saúde, promovido por uma gestão prepotente e arrogante, pretende aproveitar os medos provocados pela actual situação que vivemos para desencadear um brutal aumento de preços nos Plano de Saúde, com encargos acrescidos só para os trabalhadores e beneficiários, degradando assim ainda mais o poder de compra dos salários e das pensões, afectando de forma mais violenta e inqualificável pela crueldade, estes últimos.

Afirmamos que não há inevitabilidades e assumimos o compromisso de unidade com os trabalhadores para, todos, continuarmos a luta em torno das suas justas reivindicações.

ALTERÇÕES AOS PLANOS DE SAÚDE SÃO INJUSTIFICADOS E INJUSTOS

O SNTCT sempre afirmou que não havia necessidade de alteração dos Planos de Saúde considerando que as receitas da Altice Portugal, relativas ao segundo trimestre do ano, foram de 641,8 milhões, representando um crescimento de 16,5% face ao período homólogo do ano anterior. A ADM/DRH diz que se traduziu num impulso decisivo na trajetória deste indicador, após a tendência de crescimento dos últimos trimestres. Esta afirmação da empresa só vem dar razão ao SNTCT quando afirmamos que este ataque aos Planos de Saúde é, lamentável, mais uma tentativa de esbulho (mascarada de birra) contra os trabalhadores e beneficiarios.

SE EXISTIAM DUVIDAS QUANTO À NECESSIDADE DE LUTAR,… É AGORA EVIDENTE QUE A LUTA ESTA ADM/DRH É O CAMINHO!

A LUTA CONTINUA NA ALTICE E NA RUA!

SINDICALIZA-TE.

Página Web: www.sntct.pt – Email: sntct@sntct.pt – Facebook: www.facebook.com/sntct – Instagram: www.instagram.com/sntct7 – Twitter: https://twitter.com/SNTCT

SNTCT – a força de continuarmos juntos!

COMUNICADO SNTCT TELECOM – 1-2022

REUNIÃO COM A CEO DA ALTICE

COMO O SNTCT ESTAVA A ESPERA, DEU UMA MÃO VAZIA E OUTRA CHEIA DE NADA!

No passado dia 25 na reunião com a CEO da Altice as espectativas eram baixas e se alguém pensava que desta reunião ia sair alguma coisa, sairam com uma mão a frente e outra atrás.

ABRE AQUI O COMUNICADO EM FORMATO PDF » » » SNTCT TELECOM 1-2022 28 jul

A empresa apresentou uma iniciativa “Plataforma de verão” que tem como objectivo concentrar o horário de trabalhar em 4 dias e meio com o ojectivo de não trabalhar na tarde de sexta feira no periodo de 1 de Agosto a 16 de Setembro.

Em relação ao aumento intercalar proposto com efeitos a 1 de Julho a empresa respondeu que está a analisar a situação. Mas como sabemos noutras matérias também analisaram e foi sempre negativo para os trabalhadores.

Nos planos de saúde a empresa informou que vai manter a sua proposta de destruição dos planos, aumentando os encargos para os benefeciários e que enviará a proposta final oportunamente.

A empresa pretende ainda fazer uma Requalificação de Competências dos trabalhadores para um melhor futuro e reforço da empresa. A pergunta que se faz é se os trabalhadores vão ter um futuro melhor.

O SNTCT perguntou ainda como pretende a Altice valorizar essas competências, como restruturar a estrutura de carreiras e a valorização dos salários no quadro desta requalificação. Mais uma vez ficámos sem resposta.

A Altice declarou que quer “manter a confiança nas equipas de gestão e que podem tomar medidas menos populares em relação aos trabalhadores, para garantir a sustentabilidade da operação”. AINDA MAIS?

Estas opções da gestão traduzem-se num bloqueio generalizado da contratação colectiva, causando estagnação e desvalorização salarial e a consequente degradação/destruição das carreiras e profissões de que a gestão da Altice quer fazer tábua rasa. A gestão procura empurrar os trabalhadores para uma categoria única onde todos fazem tudo e ganham o mesmo, nivelando por baixo, independentemente dos anos de trabalho, experiência, formação e qualificação.

Os direitos consagrados na contratação colectiva são dos trabalhadores da Altice. É em torno desta ideia que vamos aprofundar o conhecimento e o envolvimento dos trabalhadores no que diz respeito à importância da contratação colectiva, na construção das reivindicações e propostas, envolvendo-os em todo o processo.

A contratação colectiva é um instrumento fundamental para os trabalhadores, de progresso social e  solidariedade, cujos direitos conquistados pela luta determinada dos trabalhadores da Altice devem ser assegurados tanto para o presente como para o futuro, garantindo a sua manutenção para as gerações que virão.

O SNTCT não está disponível a prestar vassalagem à gestão da Altice, que desde que chegou a Portugal a única coisa que fez foi atacar as trabalhadoras e trabalhadores.

Como não somos como outros que dizem “que o passado é passado e temos que olhar para o futuro vamos continuar a lembrar as malfeitorias cometidas pela gestão aos trabalhadores.

POR ISSO VOLTAMOS A RECORDAR:

ATAQUE AOS CUIDADOS DE SAÚDE. Em Fevereiro deste ano a Administração anunciou às ORT’s um brutal e violento ataque ao que resta do Sistema de Cuidados de Saúde negociado em 1994 após a constituição da PT.

PT ACS. Atribuição da Gestão do Sistema de Saúde designado PT ACS (Associação dos Cuidados de Saúde) à Multicare (Seguros Fidelidade) com graves prejuízos económicos para os beneficiários e continuada degradação destes serviços, em relação ao qual mantemos neste momento um grande conflito com a Administração.

AUMENTOS SALARIAIS. Para a Altice os trabalhadores não contam, daí que os salários se tenham mantido quase inalteráveis nestes 7 anos, em que houve um ano que os trabalhadores tiveram um parco aumento salarial e agora pretendam dar mais uma machadada no subsistema de saúde (Altice ACS).

CONTRATAÇÃO COLECTIVA. Recusa sistemática de negociação de aumentos salariais, apenas foi possível negociar um aumento salarial generalizado a todos os trabalhadores, com efeitos a 1.1.2022, embora com valores muito aquém do necessário e possível.

AJUDAS DE CUSTO. Alteração substancial das regras de atribuição de ajudas de custo, com graves prejuízos económicos para os trabalhadores.

PROGRESSÕES PROFISSIONAIS. Limitação muito grande em relação ao número de trabalhadores a movimentar profissionalmente. Nestes sete anos mais de 95% dos trabalhadores estão estagnados no mesmo nível profissional desde que a Altice adquiriu a MEO.

REDUÇÃO BRUTAL DE TRABALHADORES. Quando a Altice entrou na PT, o número de trabalhadores eram cerca de 12.000 e neste momento são 5.200 com vínculo directo.

TRANSMISSÃO DE ESTABELECIMENTO. O processo da Transmissão de Estabelecimento tinha por objectivo desmantelar completamente a empresa e, na nossa opinião, se este processo não tivesse sido travado com o sucesso que foi, com a histórica greve de 21 de Julho de 2017 e desfile de cerca de 5.000 trabalhadores, hoje já não existia o pouco que resta da PT.

DESPEDIMENTO COLECTIVO. Em 2021 a Administração decidiu o cruel e criminoso despedimento Colectivo de 246 trabalhadores, situação nunca vista nos mais de 100 anos de existência das empresas que constituíram a PT.

Para aqueles que acham muito positivo que a Altice tenha recrutado para presidente dos quadros da empresa, para aqueles que acham que não se deve fazer greves porque prejudicam a empresa, podem ter a certeza que vamos continuar com a mesma postura na defesa intransigente dos direitos e regalias dos trabalhadores.

ESTAREMOS NA LINHA DA FRENTE NESSE COMBATE E OS TRABALHADORES SABEM QUE PODEM CONTAR COM O SNTCT

SINDICALIZA-TE

Página Web: www.sntct.pt – Email: sntct@sntct.pt – Facebook: www.facebook.com/sntct – Instagram: www.instagram.com/sntct7 – Twitter: https://twitter.com/SNTCT

 

sntct – a força de continuarmos juntos!

 

FALECEU

JOÃO FIGUEIREDO

10/04/1944 – 13/07/2022

ESTAMOS MAIS POBRES

João Célio de Almeida Figueiredo

CRT APOSENTADO DOS CTT (ECC2 – CTC2N – CDC20) LISBOA

Associado 13522 do SNTCT

EX-DIRIGENTE REGIONAL E NACIONAL do SNTCT

Soubemos ontem da partida do nosso Figueiredo.

Foi a sua companheira de toda a vida (na foto ao seu lado, em 2018, nas Comemorações do 25 de Abril na Avenida da Liberdade) que nos ligou para nos dar a notícia e pedir desculpa a todos no SNTCT e aos colegas de trabalho do Figueiredo por não o ter feito antes (o que se percebe pois as últimas duas semanas têm sido bastante difíceis para ela e para os seus filhos). A toda a família deixamos aqui de novo as mais sentidas condolências.

Não estivemos por isso nas cerimónias fúnebres do Figueiredo mas, como ele diria do alto do seu pragmatismo e da sua militância e profunda amizade ao nosso Sindicato, foi como se lá tivéssemos estado.

Para muitos o seu nome não dirá nada mas o Figueiredo, na sua simplicidade de homem beirão (São Pedro do Sul) sempre foi uma das muitas pedras basilares nas sucessivas Direcções do SNTCT pelas quais passou, tendo preferido sempre manter-se “longe das luzes” mas sempre presente nos bons e sobretudo nos maus momentos pelos quais passaram o SNTCT, as suas e os seus associados e as Trabalhadores e Trabalhadoras Portugueses em geral.

Lutou até ao fim com a mesma dignidade e força mas não conseguiu vencer o seu último inimigo, na batalha que havia de levar do nosso convívio. 

Figueiredo, querido amigo e camarada, aqui te deixamos o abraço apertado de sempre e, disso podes estar certo, nas próximas comemorações do 25 de Abril e do 1º de Maio lá estarás ao nosso lado como sempre estiveste desde que a Liberdade chegou e para cuja chegada e implantação tanto lutaste.

Até sempre camarada!

COMUNICADO SNTCT CALL CENTERS 2-2022

CALL CENTERS

Greves

10, 13 e 24 junho

 

Comunicado em PDF » » » SNTCT CALL CENTERS 2-2022

 

  • A empresa não paga o trabalho feito em dia feriado de acordo com a lei;
  • A empresa continua a recusar discutir e negociar escalas de feriados e folgas;
  • A Empresa não negoceia aumentos salariais;
  • A Empresa não negoceiam a redução do horário;
  • A empresa não negoceia o caderno reivindicativo aprovado pelos trabalhadores.

PRÉ-AVISO GREVE NA

RANDSTAD, MANPOWER, VERTENTE HUMANA E RH-MAIS  

A LUTA CONTINUA

 

Página Web: www.sntct.pt – Email: sntct@sntct.pt – Facebook: www.facebook.com/SNTCToSindicato – Instagram: www.instagram.com/sntct7 – Twitter: https://twitter.com/SNTCT

 

 

            SINDICALIZA-TE NO SNTCT           

 

sntcta força de continuarmos juntos!

COMUNICADO SNTCT INTELCIA 2-2022

INTELCIA

Greves

10, 13, 24 e 29 Junho

Abre aqui o comunicado em formato PDF » » » SNTCT INTELCIA 2-2022

  • A empresa não paga o trabalho feito em dia feriado de acordo com a lei;
  • A empresa continua a recusar discutir e negociar escalas de feriados e folgas;
  • A Empresa não negoceia aumentos salariais;
  • A empresa não negoceia a redução horário de trabalho
  • A empresa não negoceia o caderno reivindicativo aprovado pelos trabalhadores.

 

“SOMOS A VOZ DA ALTICE”

A LUTA CONTINUA!

Página Web: www.sntct.pt – Email: sntct@sntct.pt – Facebook: www.facebook.com/SNTCToSindicato – Instagram: www.instagram.com/sntct7 – Twitter: https://twitter.com/SNTCT

 

SINDICALIZA-TE NO SNTCT

sntcta força de continuarmos juntos!

COMUNICADO CONJUNTO ALTICE ACS – 5 MAIO 2022

A LUTA CONTINUA!

OS TRABALHADORES E BENEFICIÁRIOS
CONTINUAM A DEMONSTRAR TODA A DESPONIBILIDADE PARA DEFENDER OS SEUS
PLANOS DE SAÚDE!

Abre aqui o comunicado em PDF: Comunicado Frente Sindical – plano de saude 5-5-2022 coimbra – aveiro

Os trabalhadores e beneficiários estão mobilizados e conscientes do ataque brutal por parte dos “oligarcas” da Altice aos planos de saúde da empresa. Nas concentrações de Coimbra e Aveiro os trabalhadores mostraram toda a disponibilidade para participar em todas as acções que a Frente Sindical venha a realizar.

AS TRÊS EXIGÊNCIAS DA FRENTE SINDICAL

Em relação aos Planos de Saúde a Frente Sindical tem vindo a fazer as três seguintes exigências à Altice:

1. Se a empresa aceita alargar o Plano Clássico a toda a população do Grupo Altice, como forma de garantir a sustentabilidade deste?

2. A empresa vai honrar os seus compromissos de actualização da tabela das quotas dos familiares dos beneficiários titulares em múltiplos do salário mínimo da empresa, desde 1 de Janeiro de 2016?

3. Quando reúne o Conselho Técnico para analisar e votar os Relatórios de Actividades e Contas de 2021 e o Plano de Actividades e Orçamento para 2022, porque estamos no final do quadrimestre de 2022.

Estes temas para a Frente Sindical são os mais importantes e esperamos que sejam aceites pela empresa.

Paralelamente, o enorme aumento de preços de bens e serviços essenciais exige medidas que ponham travão à especulação que caracteriza muitas destas subidas. Esta situação exige também que o poder de compra dos trabalhadores, reformados e pensionistas seja aumentado, repondo, antes de mais, o que lhes foi roubado nestes primeiros meses do ano por via da especulação e transferido directamente para os bolsos do grande capital!

O parco aumento de 15 euros na Altice já foi absorvido pelo aumento dos preços de bens e serviços essenciais.

A vida prova que não há alternativa à luta, que esta é decisiva para avançar, para aumentar salários e manter os planos de saúde, factores indispensáveis para garantir um futuro para os trabalhadores do Grupo Altice. É preciso uma política de gestão alternativa, que distribua a riqueza de forma justa, que respeite e valorize o trabalho e os trabalhadores.

O processo de ataque aos Planos de Saúde em curso promovido por uma gestão prepotente e arrogante, de aproveitamento da actual situação que vivemos para desencadear um brutal aumento de preços no plano de saúde com encargos só para os trabalhadores e beneficiários, degrada ainda mais o poder de compra dos salários e das pensões, afectando de forma mais violenta estes.

Em todas as lutas que temos desenvolvido e iremos desenvolver, os trabalhadores podem confiar na Frente Sindical, vamos continuar a identificar a política de gestão que está na origem dos problemas e desequilíbrios que há muito afectam os trabalhadores da Altice.

Afirmamos que não há inevitabilidades e assumimos o compromisso de em unidade continuar a lutar em torno das reivindicações dos trabalhadores e beneficiários.

A luta desenvolvida pela Frente Sindical que tem permitido aumentar salários, defender e conquistar direitos e manter os actuais Planos de Saúde é o caminho que temos de continuar a percorrer todos os dias.

A LUTA VAI CONTINUAR NA EMPRESA E NA
RUA COM PLENÁRIOS E CONCENTRAÇÕES
MOBILIZANDO E ESCLARECENDO OS
TRABALHADORES E BENEFICIÁRIOS DOS
PLANOS DE SAÚDE DA ALTICE.

SE A EMPRESA NÃO ARREPIAR CAMINHO A
RESPOSTA VAI SER DADA NA RUA!

SINTTAV – SNTCT – STT – FE – SINQUADROS

5 DE MAIO – O SNTCT NASCEU HÁ 48 ANOS.

1974 – 5 de Maio – 2022

O SNTCT nasceu há 48 anos.

Chegou o dia 5 de Maio, o dia em que o SNTCT completa 48 anos de existência, de coerência, de fraternidade, de solidariedade,… mas também 48 de luta sempre em prol dos direitos, liberdades e garantias dos seus Associados e das suas Associadas e de todos os Trabalhadores e Trabalhadoras portugueses.
Ao longo destes 48 anos, gerações e gerações de dirigentes, delegados(as), activistas e associados(as) deste nosso Sindicato, o SNTCT, “O Sindicato”,  têm vindo a honrar os princípios fundadores decididos naquele dia 5 de Maio.
Temos honrado dessa forma a decisão tomada por aqueles mais de 10.000 Homens e Mulheres que, oriundos de todos os pontos do País, encheram naquele dia por completo o Pavilhão dos Desportos de Lisboa (hoje Pavilhão Carlos Lopes).
Homens e Mulheres que, naquele dia, conseguiam realizar o que há muito ambicionavam e pelo que muito tinham lutado: terem o Sindicato que o regime fascista lhes negara desde sempre até à Revolução de 25 de Abril de 1974 – Um Sindicato vertical onde coubessem todos os trabalhadores dos Correios e Telecomunicações.
Não podemos aqui escquecer, como é óbvio, os Homens e as Mulheres que em 1970 e 1971 constituiram as duas Comissões Pró-Sindicato e que, por força disso, foram perseguidos, prejudicados pessoalmente e profissionalmente e até presos pela PIDE-DGS, a polícia política do Estado Novo Fascista.
Nasceu assim o SNTCT.
Hoje, 48 anos volvidos, numa realidade diferente, num País diferente mas em que os problemas dos trabalhadores e os ataques de que são vítimas são os mesmos, a luta continua, o SNTCT continua o seu caminho.
Como tem sido demonstrado de toda a sua existência, principalmente ao longo do último ano, não existiram, existem ou existirão pandemias, ataques de gestores de empresa, ataques aos direitos dos Trabalhadores e das Trabalhadoras perpetrados pelo poder político – passado e actual – que nos parem e/ou nos demovam de seguirmos o nosso caminho sempre em defesa dos legítimos direitos e aspirações dos que representamos.
Caminho sempre trilhado seguindo os princípios de unidade e solidariedade, tendo sempre em vista a manutenção, conquista e a defesa de direitos dos(as) Associados(as) do SNTCT em particular e, repetimos, dos Trabalhadores e das Trabalhadoras portugueses em geral. Caminho que nunca foi, não é jamais será fácil de trilhar.
Hoje cumpre-nos saudar todos(as) os(as) 40402 homens e mulheres que ao longo destes 48 anos deram corpo ao mais antigo e consequente projecto sindical dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos correios, telecomunicações e actividades afins.
“Contra ventos e marés” o SNTCT, o Sindicato, é, foi e será sempre a melhor protecção dos Trabalhadores e das Trabalhadoras dos Correios, Telecomunicações e Actividades Afins e dos seus direitos e bem-estar social e laboral.
Viva luta dos Trabalhadores e das Trabalhadoras dos correios, telecomunicações e actividades afins e de todos os Trabalhadores e de todas as Trabalhadoras portugueses unidos em torno do projecto sindical consubstanciado na CGTP-IN.
Viva o SNTCT!
SNTCT – A força de continuarmos juntos!
1 2 3 28